Níveis profundos – um convite à mudança


– Ezequiel 47
Ezequiel esperava que a nação de Israel vivesse uma vida nova na Presença de Deus e experimentasse níveis de espiritualidades que os levassem finalmente a perfeição de uma vida envolvida com Deus.
Gostaria de compartilhar algumas verdades que são contidas nesse texto.

- Primeiro o texto afirma que Ezequiel foi conduzido à entrada do templo – Templo do Senhor! – v. 1 Templo – local onde tudo começou.
Tudo começa no Senhor! Se queremos que nossa vida tenha profundidade precisamos entender que tudo começa nEle. Se você quer viver novas experiências com Deus precisa urgentemente retornar a Ele te todo seu coração, e abrir-se ao mover do Seu Espírito, e ir ao templo, o templo representa as coisas relacionadas com Deus.

Quando tomamos essa atitude somos conduzidos a níveis cada vez mais profundos, mergulhados na plena Vontade de Deus para nossas vidas e somos repletos da Sua Presença em nossa história.

- Depois de estar diante do Templo o homem tomou um cordel para medir (representa regras, parâmetros) e conduziu o profeta aos seguintes passos:

1. Ele foi conduzido a um nível de água pelos tornozelos – v.3 – águas nos tornozelos fazem alusão aos pés. Águas que começam lavando os pés que carregam todo o pó, toda a sujeira e cansaço da caminhada.
Quando a poeira da caminhada deixa nossos pés manchados, sujos, cascudos adentramos ao rio de Deus e essa faze é a inicial e básica da vida Cristã, faze que aponta para o perdão e discipulado cristão.

Ter os pés limpos de toda mancha e poeira do mundo por onde passamos é finalidade e ação do avivamento que almejamos.  “Quão formosos são sobre os montes os pés, daqueles que anunciam boas novas”.

- Quando caminhamos, naturalmente as sujeiras vem aos pés, mas se meus pés estão sob os rios de Deus – Sua Palavra – sujeira nenhuma ficará pois eles. O que precisamos que seja lavado, largado, abandonado, retirado de nossos pés?

2. Ele foi conduzido a um nível de águas pelos joelhos – v.4a – depois do rio de Deus lavar seus pés o profeta foi conduzido a um nível mais profundo, águas pelos joelhos. Joelhos indicam:
a) humildade, só a dinâmica do amadurecimento pode nos levar a humildade.
b) prostração (eu me rendo, me prostro diante de Deus),
c) oração, sem amadurecimento não há prazer na oração, tão pouco eficácia.
Às vezes observamos que a oração tem se tornado escassa na vida de algumas pessoas. Já não baseiam suas decisões em uma vida de comunhão e oração diante do Senhor. Para que nossos níveis comecem a se aprofundar precisamos aprender a orar mais.

3. Ele foi conduzido a um nível de água pelos lombos – v.4b – lombos fazem alusão à cobertura. Na medida que vamos sendo lavados, a começar com pés limpos diante do Senhor, o resgate de uma vida de oração, as águas de Deus começarão a nos cobrir. Ele começará a fluir sobre nós, cobrindo-nos, envolvendo-nos! Deus quer cobrir-nos espiritualmente contra todos ataques do diabo, e essa cobertura é sub-produto de oração consistente e perseverante. Ezequiel foi conduzido as águas pelos lombos – ele estava mais envolvido. O quanto estamos envolvidos ou queremos estar envolvidos com Deus hoje?

4. Ele foi conduzido a um nível de água pelo corpo inteiro – v.4b – águas que não se podiam passar a nado. Demonstra um nível de total dependência de Deus. Águas que não se podiam passar a nado mostra-nos claramente que é por causa da Misericórdia do Senhor que podemos ir mais além.
Nível profundo de água cobrindo todo o corpo. Assim como o profeta foi cuidadosamente deixando-se conduzir,
- Deus quer que permitamos ao Seu Espírito nos conduzir ao centro da Sua vontade para nós e em nós.
- Nível profundo de água cobrindo todo o corpo demonstra entrega total, quando chegamos ao ponto de
conseguir dizer:  “Deus, eu não posso nadar, deixe-me apenas mergulhar no Seu rio, e ser levado pelo Seu
Espírito, para toda Plenitude do Senhor em mim”.

Enfim, em qual nível espiritual você está e em qual nível deseja estar com o Senhor?
- Superficial? Quando as águas nem cobrem os pés?
- Apenas cobrindo os pés, sem nenhum envolvimento profundo?
- Cobrindo apenas algumas áreas de sua vida? Ou
- Mergulhado plenamente no querer e vontade de Deus para você?!

Decida hoje como quer ficar! Decida hoje qual nível quer atingir!

O EVANGELHO RETRATADO ATRAVÉS DA ARCA DE NOÉ

(Isaías 53: 3). (Jeremias 17:9; João 16:8, 9; Lucas 24:24-27)
I.           Primeiramente, a arca retrata Jesus sem qualquer atratividade, Gênesis 6:14; Isaías 53:2-3; Mateus 24:37-39.
a)         A arca de Noé não era aquele bonito, brilhante e colorido barco que tolos professores muitas vezes mostram aos alunos da Escola Dominical. A arca era uma caixa preta gigantesca feita de madeira. Ela estava coberta com betume preto, tanto por dentro como por fora.
Foi construído apenas para flutuar, não para velejar. Era um vaso feio, preto, tanto por dentro como por fora. Não havia nada de belo nela. Esta é uma imagem de Jesus Cristo.

b)        A arca foi desprezada, e eles não a tiveram em estima. É por isso que eles se recusaram a entrar na arca, assim como eles depois se recusaram a vir a Cristo.
"Como pode este objeto escuro e feio nos salvar?" Eles devem ter dito. A maioria das pessoas hoje se recusam a vir a Cristo e serem salvas pela mesma razão. Elas pensam: "Por que deveríamos desistir de nossa vida diária, de nossas alegrias e prazeres, para entrar naquele velho, escuro e feio navio?"  (Mateus 24:37-39)

c)         A igreja é a nossa arca. Ela nos salvou do mundo em chamas e solitário no qual vivíamos. Agora vivemos nesta igreja local. Temos comunhão, boa relação uns com os outros, e temos aqui na igreja o que jamais sonhamos ser possível ter, companheirismo, empatia! Por que ser solitário? Venha para casa - para a igreja! Nesta feia, velha e um tanto desconfortável igreja, temos encontrado refúgio de um mundo frio e solitário. Sim, a arca era velha, escura e feia, mas era um lugar de alegria, amizade e amor. 

II.         Em segundo lugar, a arca retrata o Sangue de Cristo, Gênesis 6:14; Levítico 17:11; Romanos 4:7; Gênesis 7:1; I João 1:7.
a)       A arca foi calafetada, coberta de betume. "Porque a vida da carne está no sangue. Eu vo-lo tenho dado sobre o altar, para fazer expiação pela vossa alma; porquanto é o sangue que fará expiação em virtude da vida” (Levítico 17:11).
Ambas as vezes a palavra "expiação" é uma tradução de "kaphar", que significa "cobrir". O Sangue de Jesus Cristo "cobre" os nossos pecados. Isto nos é dito claramente no Novo Testamento, propiciação é o que havia na arca. “Bem-aventurados aqueles cujas iniquidades são perdoadas e cujos pecados são cobertos(Romanos 4:7)

b)      A arca foi coberta com betume para manter-se impermeável às águas do julgamento pelo dilúvio. Quando você vem a Cristo, você é coberto pelo seu sangue, e o juízo de Deus não o afetará. Deus disse a Noé: "Entra ... na arca" (Gênesis 7:1). Quando Noé entrou, ele estava cercado por paredes que haviam sido cobertas com betume. O betume é um tipo de Sangue de Cristo. Quando você vem a Cristo, você está literalmente cercado pelo Sangue de Cristo, e seus "pecados são cobertos"

III.  Em terceiro Lugar, a arca retrata a ressurreição, Gênesis 8:18; Mateus 28:1-6; I Tessalonicenses 4:16-17.
c)       (Gn 8:18) Assim como Noé saiu da arca, assim também Cristo saiu do sepulcro na manhã de Páscoa. O texto diz: "Então saiu Noé, e seus filhos, e sua mulher e as mulheres de seus filhos com ele" (Gn 8:18). Isto retrata os cristão sendo arrebatados, para encontrarem-se com Cristo nos ares (I Tessalonicenses 4: 16-17). Noé saindo da arca é um retrato de Cristo saindo do túmulo. Sua família saindo da arca, após ele é um retrato dos cristãos sendo arrebatados. Tudo isso é simbólico e tipológico.

d)      A arca em si foi concebida como um símbolo da igreja, somente aqueles que procuram a graça nela oferecida podem sobreviver ao dilúvio de um mundo pecaminoso.
- A igreja, como a arca, tem desconforto,
- Não é o lugar perfeito, tem excremento,
- Não se torna desejável,
- Não foi feita para velejar, não tem um leme nem velas, ela flutua para onde a corrente leva. (o navegante não tem controle) ela é dirigida de fora pra dentro.

- Porém ainda é o lugar mais seguro para se estar, e no final os ocupantes desembarcarão na glória.  

O CARÁTER FORJADO NA GRAÇA


Gálatas 1.11-24 ,  Filipenses 1.6

Introdução O que é caráter? Caráter é a soma total de todas as influências positivas ou negativas, aprendidas na vida de uma pessoa e que se manifestam através de valores, motivações, atitudes, sentimentos. O alvo de Deus é forjar o caráter de Cristo em nós. Por isso, a partir da nossa conversão, o Senhor vai se utilizar de diversas ferramentas para forjar em nós o caráter de Cristo.
 Do momento da conversão de Paulo até o reconhecimento do seu apostolado ele passou por um processo que todos nós precisamos passar até que nos tornemos úteis nas mãos de Deus. Deus através da sua graça vai moldar em nós o Caráter de Cristo.

I – QUANDO CHEGAMOS AO FIM DE NÓS MESMOS:
     1.1. A primeira experiência que Deus levou Paulo após a sua conversão foi a experiência do deserto. Senão vejamos o que nos diz o v.17: nem subi a Jerusalém para os que já eram apóstolos antes de mim, mas parti para as regiões da Arábia...”
      1.2. Por três anos, Paulo viveu afastado dos irmãos de Jerusalém no deserto.  E nesse período, Deus usou a ferramenta da solidão em Saulo para forjar nele o caráter de um apóstolo. De que nos fala o deserto?  As motivações do nosso coração são checadas sob a luz de Deus. É um lugar de perseverança.
·         Deserto é o tempo onde o Senhor nos leva ao fim de nós mesmos para que aprendamos a depender apenas dele.
·         O deserto é a ocasião de aprendermos de Deus, de conhecê-lo intimamente. Por isso, nada é mais importante que a resposta que damos durante o processo de treinamento no deserto.
·         No deserto o alvo de Deus é nos levar ao fim de nós mesmos, assim como foi com Moisés. Enquanto ele achava que podia, Deus não pode usar usa vida. Quando ele chegou ao fim de si mesmo e achou que não podia mais, Deus o levantou para libertar seu povo do Egito.
·         Nós temos que nos esvaziar diante de Deus para que sejamos cheios de sua graça. Temos que nos esvaziar de nós mesmos, de nossos conceitos e experiências e “achimos” que travam a nossa vida e nos impedem de avançar. 

II – QUANDO APRENDEMOS A LIDAR COM AS ADVERSIDADES:
      2.1. Gálatas 1.17 diz que depois de passar pelo deserto Paulo voltou para Damasco. Foi nesse momento que Deus usou outra ferramenta para forjar o seu caráter em graça. Paulo teve que aprender a lidar com as adversidades, com rejeições, com acusações, com perseguições e todo tipo de hostilidade.
      2.2. Paulo chegou ao ponto das pessoas quererem mata-lo: Atos 9.22-24 Paulo teve que aprender a lidar com situações pelas quais ele jamais havia passado antes. II Coríntios 11.24-32. Os sofrimentos de Paulo eram em função da sua fé. Isso faz parte do nosso processo de amadurecimento.
  • Maturidade é ter os limites expandidos por Deus. Ser alargado por Deus significa que, depois de uma experiência ou situação, você não consegue mais ser como era antes.
  • Deus olhou para baixo e viu você como um diamante bruto e agora Ele está burilando as arestas. Ele nos coloca no fogo para refinar-nos e fazer surgir um produto mais valioso!
  • A graça de Deus está em nunca desistir de nós. Em acreditar que podemos ser transformados. Se ele continua investindo é por causa da sua graça! Filipenses 1.6

III – QUANDO NOS DISPOMOS A APRENDER COM OS IRMÃOS:
        3.1. Primeiro Paulo vai para a Arábia. Adversidade e rejeição. Paulo amadurece. Agora no verso 18 Paulo sobe a Jerusalém para encontrar-se com Cefas.
        3.2. O que Paulo foi fazer em Jerusalém? Foi a Jerusalém para fazer uma história sobre Jesus e os seus discípulos junto a Pedro. Paulo tinha a doutrina que Deus tinha dado diretamente a ele, mas não tinha a experiência de ter andando com Jesus como Pedro teve durante três anos e meio. Paulo não era discípulo de Pedro, mas certamente Pedro foi usado por Deus para que ele pudesse seguir para o nível seguinte. Você precisa ser um discípulo, precisa de alguém a quem possa prestar contas.
  • É nessa hora que a vida da igreja é fundamental para nós. Porque quando participamos da vida da igreja os irmãos são instrumentos de Deus para nos equilibrar, pra não permitir que saiamos do prumo, para nos advertir e muitas vezes impedir que saiamos do propósito de Deus. Nunca se esqueça de que os irmãos mais maduros em Deus são necessários para a formação do nosso caráter.
  • Jamais despreze o valor de congregar, de estar junto, de viver a vida da igreja.
  • Por maior que seja sua experiência com Deus. Mesmo que como Paulo você tenha recebido uma revelação direta do Senhor, ainda assim você precisará dos irmãos para ter uma vida equilibrada. Porque os irmãos nos equilibram.
  •  Tem gente que só aprende com Deus. Mas se quisermos crescer precisamos ter a humildade de enxergar Deus na vida dos nossos irmãos. Essa é uma chave para o nosso crescimento, não despreze a vivencia na comunidade cristã! Você precisa da igreja, não ao contrário.


A IGREJA QUE SOMOS

Apc. 3:22-  Laodiceia foi uma Igreja da Ásia menor, onde hoje é a Turquia, e ficava bem perto da cidade bíblica de Colossos. Por estar situada no vale do rio Lico e ser rota comercial do mundo antigo, a cidade era muito rica e influente e ainda conhecida por seus tecidos pretos, medicina e também por ser um importante centro bancário.

Haviam mais duas cidades no vale do rio Lico: Colossos e Hierápolis. Colossos era uma cidade conhecida por suas águas geladas e boas para o consumo. Hierápolis era conhecida por suas águas termais que ajudavam no tratamento de algumas doenças. Laodiceia, porém, não possuía fontes de água e precisou desenvolver um sistema de aquedutos para levar água até a cidade. Mas a água que chegava a Laodiceia era aquecida pelo sol no caminho e chegava a cidade morna. Assim ela não era boa para o consumo como a água de Colossos nem termal e boa para a saúde como as águas de Hierápolis.
 Pobre, cego e nu - Laodiceia era uma cidade muito rica e influente e tinham quase tudo que necessitava. A cidade produzia tecidos de lã negra que eram muito raros e famosos na época e também produzia um pó que servia para fabricação de colírio, que era também bem era raro, sua medicina era avançada. Aparentemente possuíam tudo que lhes era necessário.

Nossa identificação: Vivemos num tempo em que a Igreja tem, praticamente, tudo: temos louvor, temos grandes congregações, temos muitos astros evangélicos, temos um mercado cristão que cresce sem parar, temos influência política, temos muito dinheiro, temos influência social, etc. Temos tudo e não nos falta nada e é exatamente este o grande problema. Será que Deus precisa de tudo isso?

 A Pobreza - A Igreja hoje, assim como foi neste exemplo de Laodiceia, é miserável, pobre cega e está nua. Temos muito dinheiro e influência, mas perdemos o que mais importa: a comunhão real com o Espírito Santo de Deus. Quando passamos a dar mais atenção ao dinheiro, e às doutrinas de bênçãos e da prosperidade, esquecemos de Servir a Deus, pois "Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro, ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas" Mateus 6:24. 
A declaração era: “sou rico e de nada tenho falta” não existe declaração mais reveladora da miserabilidade e cegueira do declarante.

 A Cegueira - Outra característica do nosso tempo é a cegueira, assim como foi em Laodiceia. Veja que quase ninguém se identifica com todos estes pontos que citamos acima, pois a maioria de nós nem percebe estas coisas. Estamos cegos, mas ainda assim batemos no peito com orgulho de possuir uma doutrina melhor e mais correta que a dos nossos irmãos. É uma incongruência muito grande se considerar sábio, mas negar a realidade em que se encontra e das escrituras. É como estar, de fato, cego, sem poder enxergar o caminho por onde pisa. Na minha opinião o problema maior da igreja é a sua seguira, pois a impede de corrigir os demais problemas: A naja é uma serpente terrível. Ela cospe seu veneno a dois metros de distância. Apontando para os olhos da vítima, cega-a, temporária ou definitivamente, e assim essa se torna presa fácil.

E não só estamos cegos em relação a estas coisas na Igreja, mas estamos cegos em relação ao tempo em que vivemos. A maioria de nós vive como se este tempo não fosse o Princípio das Dores ou como se tudo que se passa no mundo é totalmente normal e Deus se demora em voltar. Estamos cegos e nada vemos e este conceito é consequência disto.

 A Nudez - A nudez é a última das características citadas de Laodiceia. É interessante porque a cidade era produtora de lã, a nudez, entretanto, está mais relacionada a santidade neste contexto. Na maioria das citações sobre pessoas vestidas de vestiduras brancas (Apocalipse 7:9) o texto está se referindo especificamente a santidade. Se estamos nus é certo que não temos santidade. Separação para Deus, pano preto produzido, nada mais é que a cobertura do mundo, olhos no mundo, planos no mundo, conquista do mundo.

Igualmente, vemos que hoje em dia perdeu-se a característica da santidade no meio da congregação. O que se vê é um todo de pecado e irmãos que não conseguem vencer o pecado e o mundo. A começar dos pastores e líderes que são pegos constantemente em escândalos e em pecados de todos os tipos. A Igreja dos últimos dias está nua e necessita das vestiduras brancas da santidade. Precisamos de santidade, pois sem sanidade é impossível ver a Deus. Também é impossível receber a habitação que vem do alto, se formos encontrados nus, conforme vemos em Coríntios: "E, por isso, neste tabernáculo, gememos, aspirando por sermos revestidos da nossa habitação celestial; se, todavia, formos encontrados vestidos e não nus" 2 Coríntios 5:2-3.


Anúncio