A IGREJA QUE SOMOS

Apc. 3:22-  Laodiceia foi uma Igreja da Ásia menor, onde hoje é a Turquia, e ficava bem perto da cidade bíblica de Colossos. Por estar situada no vale do rio Lico e ser rota comercial do mundo antigo, a cidade era muito rica e influente e ainda conhecida por seus tecidos pretos, medicina e também por ser um importante centro bancário.

Haviam mais duas cidades no vale do rio Lico: Colossos e Hierápolis. Colossos era uma cidade conhecida por suas águas geladas e boas para o consumo. Hierápolis era conhecida por suas águas termais que ajudavam no tratamento de algumas doenças. Laodiceia, porém, não possuía fontes de água e precisou desenvolver um sistema de aquedutos para levar água até a cidade. Mas a água que chegava a Laodiceia era aquecida pelo sol no caminho e chegava a cidade morna. Assim ela não era boa para o consumo como a água de Colossos nem termal e boa para a saúde como as águas de Hierápolis.
 Pobre, cego e nu - Laodiceia era uma cidade muito rica e influente e tinham quase tudo que necessitava. A cidade produzia tecidos de lã negra que eram muito raros e famosos na época e também produzia um pó que servia para fabricação de colírio, que era também bem era raro, sua medicina era avançada. Aparentemente possuíam tudo que lhes era necessário.

Nossa identificação: Vivemos num tempo em que a Igreja tem, praticamente, tudo: temos louvor, temos grandes congregações, temos muitos astros evangélicos, temos um mercado cristão que cresce sem parar, temos influência política, temos muito dinheiro, temos influência social, etc. Temos tudo e não nos falta nada e é exatamente este o grande problema. Será que Deus precisa de tudo isso?

 A Pobreza - A Igreja hoje, assim como foi neste exemplo de Laodiceia, é miserável, pobre cega e está nua. Temos muito dinheiro e influência, mas perdemos o que mais importa: a comunhão real com o Espírito Santo de Deus. Quando passamos a dar mais atenção ao dinheiro, e às doutrinas de bênçãos e da prosperidade, esquecemos de Servir a Deus, pois "Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro, ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas" Mateus 6:24. 
A declaração era: “sou rico e de nada tenho falta” não existe declaração mais reveladora da miserabilidade e cegueira do declarante.

 A Cegueira - Outra característica do nosso tempo é a cegueira, assim como foi em Laodiceia. Veja que quase ninguém se identifica com todos estes pontos que citamos acima, pois a maioria de nós nem percebe estas coisas. Estamos cegos, mas ainda assim batemos no peito com orgulho de possuir uma doutrina melhor e mais correta que a dos nossos irmãos. É uma incongruência muito grande se considerar sábio, mas negar a realidade em que se encontra e das escrituras. É como estar, de fato, cego, sem poder enxergar o caminho por onde pisa. Na minha opinião o problema maior da igreja é a sua seguira, pois a impede de corrigir os demais problemas: A naja é uma serpente terrível. Ela cospe seu veneno a dois metros de distância. Apontando para os olhos da vítima, cega-a, temporária ou definitivamente, e assim essa se torna presa fácil.

E não só estamos cegos em relação a estas coisas na Igreja, mas estamos cegos em relação ao tempo em que vivemos. A maioria de nós vive como se este tempo não fosse o Princípio das Dores ou como se tudo que se passa no mundo é totalmente normal e Deus se demora em voltar. Estamos cegos e nada vemos e este conceito é consequência disto.

 A Nudez - A nudez é a última das características citadas de Laodiceia. É interessante porque a cidade era produtora de lã, a nudez, entretanto, está mais relacionada a santidade neste contexto. Na maioria das citações sobre pessoas vestidas de vestiduras brancas (Apocalipse 7:9) o texto está se referindo especificamente a santidade. Se estamos nus é certo que não temos santidade. Separação para Deus, pano preto produzido, nada mais é que a cobertura do mundo, olhos no mundo, planos no mundo, conquista do mundo.

Igualmente, vemos que hoje em dia perdeu-se a característica da santidade no meio da congregação. O que se vê é um todo de pecado e irmãos que não conseguem vencer o pecado e o mundo. A começar dos pastores e líderes que são pegos constantemente em escândalos e em pecados de todos os tipos. A Igreja dos últimos dias está nua e necessita das vestiduras brancas da santidade. Precisamos de santidade, pois sem sanidade é impossível ver a Deus. Também é impossível receber a habitação que vem do alto, se formos encontrados nus, conforme vemos em Coríntios: "E, por isso, neste tabernáculo, gememos, aspirando por sermos revestidos da nossa habitação celestial; se, todavia, formos encontrados vestidos e não nus" 2 Coríntios 5:2-3.


As 7 portas de entrada do mal.

 1 Pedro 5:8  -  Quando vemos a maldade do ser humano e o rumo que o mundo está tomando, ficamos com medo e tentamos de todo jeito nos proteger do mal que tenta nos atingir. Eu reconheço que o diabo tem destruído muitas vidas nas drogas, na violência, na corrupção, na prostituição e de tantas outras formas. Mas se formos analisar, o mal começa dentro de cada pessoa e Satanás apenas aproveita as brechas para causar ainda mais estragos.
Caim, matou o irmão por ciúmes. Porém, antes desse primeiro assassinato acontecer, Deus o alertou. Veja o que está escrito:  “E o Senhor disse a Caim: Por que te iraste? E por que descaiu o teu semblante?
Se bem fizeres, não é certo que serás aceito? E se não fizeres bem, o pecado jaz à porta, e sobre ti será o seu desejo, mas sobre ele deves dominar. "
 (Gênesis 4:6,7). 
Sabemos que todos os dias o pecado bate à nossa parte, mas temos a opção de pedir que Jesus vá à nossa frente e não deixe o mal entrar. Isso acontece quando temos uma vida de oração, mas também quando vigiamos. Jesus disse: " Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca". (Mateus 26:41).
Diante dessa necessidade de estarmos atentos 24 horas, quero te mostrar as 7 portas por onde o mal entra:
1) O mal entra através dos nossos PENSAMENTOS - Embora não controlemos o que pensamos, podemos controlar quais pensamentos irão permanecer em nossa mente, sejam os positivos ou negativos, os bons ou maus, os verdadeiros ou mentirosos. A decisão é exclusivamente sua! (Colossenses 3:2,  Tiago 2:4) aponta para nosso “eu oculto” – A chamada Janela de Johari explica que cada ser humano tem 4 maneiras de se manifestar que são:
- O seu “Eu Aberto” é aquele que tanto você como as outras pessoas conhecem e percebem.
- O seu “Eu Oculto” é aquele que só você conhece.
- O seu “Eu Cego” é aquele que só você não vê, mas os outros conhecem.
- O seu “Eu Desconhecido” é aquele que nem você nem os outros têm acesso, só Deus o conhece.
A Janela de Johari permite-nos perceber em que bases cada um de nós atuamos em nossos relacionamentos. 
2) O mal entra através do nossos OLHOS - O Senhor Jesus disse que se os nossos olhos forem bons, todo o nosso corpo será iluminado, porém, se forem maus, todo o corpo será cheio de trevas (Mateus 6:22,23). Por isso, tome cuidado como você enxerga as circunstâncias à sua volta e as pessoas que surgem no seu caminho.  (1 João 2:16, Provérbios 21:4). Aponta para aquilo que observamos e somos “atraídos”
3) O mal entra através dos nossos OUVIDOS - Jesus disse muitas vezes: “quem tem ouvidos, ouça” o que tenho a dizer, pois Ele sabia que estamos sujeitos a escutar muitas vozes, especialmente a do diabo. Nós somos, constantemente, alvos da voz de demônios e daqueles que fazem o que ele pede. Porém, temos que dar ouvidos somente ao que Deus diz em Sua Palavra, para que não entrem palavras maldosas e mentirosas que venham nos confundir, enfraquecer e, mais tarde, nos destruir. (Provérbios 28:9) aponta para aquilo que damos “atenção”
4) O mal entra através da nossa BOCA - Quando falamos o que não devemos: lamentamos, murmuramos, blasfemamos, fofocamos, nós enfraquecemos o nosso espírito e abrimos brechas para que o inimigo use essas palavras contra nós e contra aqueles a quem falamos mal.  Provérbios 8:13, Eclesiastes 5:6, aponta para nossa maneira de “Falar”
5) O mal entra através do nosso CORAÇÃO - Por meio de sentimentos e desejos pecaminosos, podemos nos afastar completamente de Deus. Em Provérbios 4:23 está escrito que o coração é o bem mais precioso que devemos proteger, porque dele depende toda a nossa vida. E não é porque temos Jesus no coração que estamos livres dos sentimentos de inveja, orgulho, vingança, ódio, etc. Precisamos estar atentos a tudo que vem para destruí-lo. (Mateus 15:19) aponta para nosso “Ser”
6) O mal entra através das NOSSAS MÃOS - Quando negamos ajuda a alguém, paramos de ofertar na obra de Deus, brigamos, roubamos, nos drogamos, nós estamos abrindo portas para que o mal nos prejudique. É por isso que no Dia do Julgamento, nós cristãos seremos recompensados de acordo com as nossas obras, segundo aquilo que fizemos. (Leia 2 Coríntios 5:10)  Jó 11:14, Marcos 9:43 mão aponta para o “fazer”
7) O mal entra através dos nossos PÉS - Por onde você anda, com quem você anda, pode fazer com que você entre no caminho das drogas, feitiçaria, prostituição e o mal entrará com força. Então, fique vigilante com essas portas e você terá uma vitoriosa e de comunhão com Deus! Provérbios 1:15,  Salmos 119:101, Pés aponta para “procedimento”


Os Dois Perigos da Vida..


Os Dois Momentos Perigosos Na Vida... Daniel 6.4,5
Há dois momentos na vida que são perigosos, principalmente quando não há profundidade de caráter e nem vida espiritual consistente.
1º O primeiro é quando se está no topo da montanha do sucesso; quando tudo o que se faz dá certo, quando as coisas acontecem melhor do que planejamos; quando tudo é motivo para celebração ou quando se alcançou uma posição de relevância e respeitabilidade. Você já ouviu dizer que “o sucesso é um terreno minado?”

Vamos usar, como ilustração, a “pirâmide do sucesso”. Enquanto você está na parte baixa da pirâmide, o espaço para os seus movimentos é grande. Poucos o conhecem, ninguém presta muita atenção em você e suas ações não representam perigos ou ameaças... Esse é um tempo relativamente tranquilo.

A). Enquanto o profeta Daniel era apenas mais um escravo na Babilônia, ninguém prestava atenção nele. Porém, na medida em que ele foi “subindo de posto”, sendo reconhecido como alguém que estava fazendo toda a diferença no reino de Nabucodonozor, o espaço para os seus movimentos foi diminuindo.
Cada degrau que ele subia, se expunha mais e era mais observado, analisado, notado, vigiado e perseguido. Chegaram ao ponto de vasculhar a sua vida para ver se achavam algo que comprometesse a sua integridade de caráter: “Então os presidentes e os sátrapas procuravam achar alguma prova contra Daniel, a respeito do reino, mas não conseguiam localizar nada que pudesse incriminá-lo ou culpá-lo por alguma coisa, porque ele era fiel, e não se achava nele nenhum vício nem culpa. Então esses homens disseram: Nunca acharemos ocasião alguma contra este Daniel, se não a procurarmos contra ele na lei do seu Deus” (Dn 6.4,5; grifo do autor).

B). O sucesso é muito perigoso, porque a tendência de quem está “no topo” é a de relaxar, de “baixar a guarda” e acreditar naquilo que não é verdade, ou seja, pensar possuir aquilo que, na verdade, não possui.

Diz a Bíblia que Daniel, como integrante do governo da Babilônia, conseguiu superar todas essas tentações; e se manteve íntegro e fiel a Deus, apesar de ter chegado ao “topo da pirâmide” do sucesso.

Provérbio Popular: “Dê poder a um homem, e conhecerás o seu verdadeiro caráter”. Se o diabo não puder usar o fracasso para derrubar você, ele usará o sucesso. Mas os homens que têm sua vida construída segundo os princípios das Escrituras Sagradas não se perdem quando conquistam posições elevadas ou assumem qualquer tipo de poder. Pelo contrário, eles glorificam a Deus através de suas vidas.
Viva de forma criteriosa e disciplinada. Desenvolva sua comunhão com Deus, não tire os olhos de Jesus, vença a tentação de se relaxar, “baixando a guarda” e se tornando uma presa fácil do Inimigo. É no topo, no degrau mais alto, que o homem deve reconhecer que foi Deus quem o colocou ali. E esse reconhecimento é a sensação mais maravilhosa que pode ocorrer aos nossos olhos!

Os homens verdadeiramente grandes são aqueles que reconhecem a sua pequenez diante da grandeza do Criador Eterno, o Senhor Deus Todo-Poderoso. João Batista, disse: “É necessário que ele cresça e que eu diminua” (Jo 3.30).

2º O segundo momento mais perigoso na vida é o tempo das perdas. O apóstolo Paulo chama esse tempo de dia mal: “para que possais resistir ao dia mal e, havendo feito tudo, ficar firmes” (Ef 6.13).
Jesus começa uma parábola falando de um pai que experimenta esse tempo. De repente, o filho caçula, aquele que todo pai sempre tem um cuidado especial, se rebela, manifestando algo extremamente maligno, destrutivo e inadmissível. Ele diz: “Pai, dá-me a parte dos bens que me pertence”. Ele pede a sua parte da herança (Lc 15.12), porque deseja ir embora de casa.
- A atitude desse filho estava sendo uma afronta, um desrespeito, uma agressão. Nas entrelinhas, ele estava dizendo: “Você não faz mais sentido na minha vida... Cansei. Para mim, se você morresse seria melhor”. Se coloque no lugar de um pai que passou por isso e tente dimensionar a dor em sua alma.
- Quanto vale um filho? Só quem gera, educa, protege, cura, sustenta e investe sabe qual é a intensidade da dor da perda de um filho.

também experimentou a dor da perda, pois em um único dia, ele presenciou o sepultamento de seus dez filhos. Toda perda de grande valor gera crise, e o grande desafio nesse tempo é:  o que fazer para não se perder com as perdas?
Quantas pessoas, ao perder alguém ou algo de valor significativo, acabam se perdendo?  Esposas que se perdem ao perder o marido; filhos que se perdem ao perder os pais; empresários que se perdem ao perder sua empresa! 
- Para os chineses, crise pode significar duas coisas: “perigo” ou “oportunidade de crescimento”. Tudo depende da leitura que cada um faz. 
Há dois homens na Bíblia, cuja biografia serve de inspiração para todos nós. Os dois passaram por caminhos de aflições e souberam fazer uma leitura muito positiva das perdas que enfrentaram.

A). O primeiro é José, filho de Jacó com Raquel (Gn 30.22-24). Ele perdeu tudo ao ser vendido, como escravo, pelos próprios irmãos. O impressionante da história de José é que ele chegou ao Egito como escravo (Gn 37.36) e terminou como príncipe (Gn 41.41). O nome que ele colocou em um dos seus filhos resume como ele encarou as adversidades que enfrentou: “Ao segundo (José) chamou Efraim, e disse: Deus me fez crescer na terra da minha aflição” (Gn 41.52).

B). O segundo homem que soube fazer uma leitura positiva das adversidades foi o apóstolo Paulo. No capítulo 11 da sua primeira carta aos coríntios, ele descreve o quanto foi difícil esse tempo de provações.  Ler (2 Co 11.23-33).

O apóstolo Paulo nunca se deixou amargurar com as experiências amargas que teve; muito pelo contrário, ele enfrentava as adversidades sem perder a doçura. As cartas que ele escreveu na prisão estão carregadas de expressões que revelam sua saúde interior. Só quem é capaz de fazer uma leitura positiva da crise pode declarar:
“E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a paciência, e a paciência a experiência, e a experiência a esperança. E a esperança não traz confusão...” (Rm 5.3-5;).

É interessante que o apóstolo Paulo diz que a “crise produz caráter”. Quem consegue ter está percepção nunca se perde em meio às tribulações da vida. Pelo contrário, cresce. Este é o propósito de Deus em nos levar ao deserto: lugar de crescimento. A adversidade é a poeira do diamante com que os céus costumam polir as suas joias. Você já parou para observar como a borboleta sofre para chegar a ser o que é?

- Conta-se que certo dia, uma pequena abertura apareceu no casulo. Um homem sentou-se e, por várias horas, ficou observando a borboleta e a forma de como ela se esforçava para fazer com que seu corpo passasse através daquele pequeno buraco. Então, ela parou de fazer qualquer progresso. Parecia que ela já havia avançado o mais que podia, e não conseguiria ir mais longe. O homem decidiu ajudar a borboleta: pegou uma tesoura e cortou o restante do casulo. A borboleta saiu facilmente, mas seu corpo estava murcho, era pequeno e tinha as asas amassadas. O homem continuou a observar a borboleta porque ele esperava que, a qualquer momento, as asas dela se abrissem e esticassem e fossem, então, capazes de suportar o corpo que iria se firmar com o tempo. Mas nada disso aconteceu. A borboleta passou o resto da sua vida rastejando, com um corpo murcho e com as asas encolhidas. Ela nunca foi capaz de voar. O que o homem, com sua gentileza e vontade de ajudar, não compreendia, era que o casulo apertado, e o esforço necessário para a borboleta passar através da pequena abertura, eram o modo com que Deus fazia para que o fluido do corpo da borboleta fosse para as suas asas tornando-a pronta para voar, uma vez que estivesse livre do casulo. Deus permitiu essa crise pra você aprender a voar.

- Na maioria das vezes, não recebemos nada do que pedimos, mas recebemos tudo o que precisávamos. 

O pai do “filho pródigo” perde, mas não se perde. Ele vence o absurdo da vida, protegendo a sua alma, guardando o seu coração e se enchendo de esperança. Sei que a maioria já passou ou está passando por um momento de crise.

- Em um tempo como esse, é necessário compreender que “Deus está no controle de todas as coisas”.
·         Ainda que se perca um filho, continue acreditando que filhos são herança do Senhor.
·          Ainda que se perca o cônjuge, continue acreditando que o casamento é um projeto de Deus,
·         Ainda que você perca a família, continue acreditando que a família é uma instituição divina.
·         Ainda que se perca todos os bens materiais, continue acreditando que nada acontece por acaso na vida de quem é dirigido pelo Senhor Deus.

William Penn, o fundador da província da Pensilvânia disse: “Sem dor, não há vitória; sem espinhos, não há trono; sem fel, não há glória; sem cruz, não há corôa”.

Atitudes de Abraão que apontaram sua fé para o sacrifício de Isaque.

Texto Base: Gênesis 22 v 1-14

Introdução: Aquela era a maior provação da vida de Abraão, Deus havia requerido o filho da promessa, a maior riqueza que Abraão possuía e Abraão pela sua obediência e Fé obedeceu a palavra do Senhor. 
Quando Abraão chegou no pé do Monte Moriah ele tomou  quatro atitudes que foram importantíssimas para que ele vencesse aquela provação.

1- Separou-se dos servos. - Imagine Abraão diante do Altar e os seus servos olhando aquela cena seria desastroso, ou quem sabe os servos iriam tentar impedir Abraão de colocar o seu filho sobre o altar, pois na visão dos servos aquele ato seria encarado como loucura. Então Abraão se separa de tudo aquilo que pudesse impedir que ele tivesse uma experiência maior com Deus.
Se separe de tudo aquilo que está impedindo que você tenha uma intimidade maior com Deus, se separe do mundo, do pecado, das paixões, pois Deus quer se revelar pra você no cume do Monte, a fé é sua, a visão é sua, cada um tem sua própria intimidade com Deus. Você precisa se desvencilhar de quem não vai compreender o mistério que Deus tem com você. 

2 - Deixou o jumento com os servos. - Quando se fala de jumento na bíblia se fala de força física, auxílio pra viagem, terceirização de carga, de peso, que tem jumento tem transporte, tem facilidade. Será que não temos elegido algum jumentinho, no qual depositamos um pouco de nossa confiança e tem nos proporcionado comodidade. Dependência de Deus.
Quando Abraão deixa o jumento ele estava renunciando tudo aquilo que lhe proporcionava facilidades para o seus no caminho. Devemos abandonar a busca das facilidades desta vida, devemos parar de acreditar na força do dinheiro, das influências dos “chegados”, na força da nossa intelectualidade, deixar de confiar nos terceiros desta vida e acreditar na força do nosso Deus.

3 - Tomou possa da lenha. – LENHA, FOGO E CUTELO. Lenha aponta para o serviço, o que você faz, o fogo aponta para tua batalha, tua luta pra fazer e o cutelo para como você faz, pois precisa estar pautado no fio da palavra de Deus.
- Quem toma posse da lenha sai do estado de comodidade, até aquele momento Abraão estava dependendo dos servos e do jumento, auxiliados por terceiros.
Quando Abraão tomou posse do fardo da lenha do sacrifício proposto por Deus, Abraão assumiu a responsabilidade daquilo que ele tinha por objetivo; levar até o altar e as últimas consequências num ato de adoração e de obediência. Deus não aceita que a lenha do sacrifício seja levada pelos jumentos da vida, como não aceitou a Arca da Aliança ser carregada em carros de boi.
Na nossa vida espiritual temos que tomar posse da lenha, do fardo, da cruz que nos foi proposta, pois aquele que não toma posse da sua cruz jamais terá uma experiência intima com Deus. Existem crentes que querem terceirizar o serviço, a adoração, a leitura da bíblia comendo o enlatado do fecebook, da internet, terceirizam a oração enquanto pedem muito e oram pouco, até a conquista das almas tem gente terceirizando, organizam e crescem igreja sem arrancar uma alma do inferno apenas pegando crente que custou trabalho suor e lagrimas dos outros. Pega tua lenha, sobe teu Moriah porque lá te encontraras com Deus.

4 - Confiou na providencia de Deus.  Quando Isaque perguntou onde estava o cordeiro, imediatamente ele respondeu “Deus proverá o cordeiro para si”, ou seja, ele colocou toda sua confiança na providencia de Deus, mesmo não sabendo da existência de um cordeiro que estava sobre o monte.

Mesmo que você não esteja vendo o cordeiro da providencia confie, pois Deus providenciará a solução.  Conclusão: Faça como Abraão para que você possa desfrutar das bênçãos de

Anúncio