A Carta à Igreja em Sardes - Ao Anjo da Igreja em Sardes (Apocalipse 3:1-6) (parece mais não é)


Frequentemente julgamos os outros pela aparência. Observamos o comportamento e tentamos entender os motivos. Jesus julga os corações. Ele vê o caráter verdadeiro de cada pessoa e de cada igreja. Quando enviou esta carta ao mensageiro da igreja em Sardes, ele contrariou a impressão comum a todos. Apesar de ter a reputação de uma igreja forte e ativa, ele viu as falhas e sabia que aquela congregação já estava quase morta. Se não voltar a viver, seria tomada de surpresa, como se fosse por um ladrão. 

- A igreja em Sardes (1): A cidade antiga de Sardes, hoje apenas ruínas perto da atual vila de Sarte na Turquia, considerava-se impenetrável. Era uma cidade próspera devido ao ouro encontrado no Pactolos, um ribeiro que passava pela cidade. A cidade antiga era conhecida pela produção de ouro, prata, pedras preciosas, lã, tecido, etc., se tornou próspera. Era uma cidade acostumada com a glória.

- Aquele que tem os sete Espíritos de Deus (1): Sete representa a totalidade e a perfeição divina. Diante do trono de Deus, “ardem sete tochas de fogo, que são os sete Espíritos de Deus” (4:5). Os sete olhos do Cordeiro “são os sete Espíritos de Deus enviados por toda a terra” (5:6). Deus sabe tudo e vê tudo (veja 2 Crônicas 16:9). Nada em Sardes seria escondido de Jesus. 
- As sete estrelas (1): Jesus não somente vê, ele também controla. Ele segura os mensageiros das igrejas na sua mão direita (1:16,20). Pode ver, julgar e até castigar conforme a sua infinita sabedoria e soberania. 

- Conheço as tuas obras (1): Como nas outras cartas, aquele que estava no meio dos candeeiros conhecia perfeitamente as obras e os corações das igrejas. 

- Tens nome de que vives, e estás morto (1): Esta frase ilustra perfeitamente a diferença importante entre reputação e caráter. A reputação é a fama da pessoa, o que os outros acham que ela é. O caráter é a essência real da pessoa, o que realmente você é. As outras pessoas podem ver somente por fora, mas Jesus vê o homem interior e sonda os corações. Ele não pode ser enganado por ninguém.
- A igreja de Sardes teve a reputação de ser ativa e viva, mas Jesus sabia que estava quase morta. Ele fala de uma igreja aparentemente em paz e tomada por indiferença e apatia. A boa fama não ocultou a verdadeira natureza desta congregação dos olhos do Senhor. 

- Sê vigilante (2): Discípulos e igrejas frequentemente caem por falta de vigilância. A Bíblia fala da importância da vigilância. (Mateus 26:41; 1 Pedro 5:8). 1 Coríntios 16:13; 1 Tessalonicenses 5:6). O bom soldado toma a armadura de Deus e vigia constantemente com perseverança e oração.

- Consolida o resto que estava para morrer (2): Uma última tentativa de resgate (veja Judas 22-23). A igreja em Sardes estava quase morta, mas ainda houve uma esperança de salvar alguns, ou talvez até de reavivar a congregação. 

- Não tenho achado íntegras as tuas obras na presença do meu Deus (2): O problema não foi a ausência total de obras, mas a falta de integridade delas. É possível defender a doutrina de Deus sem amar ao Senhor (2:2-4). É possível obedecer mandamentos de Deus sem inteireza de coração (2 Crônicas 25:2). É possível fazer coisas certas com motivos errados. Os homens podem ver as obras; Deus vê os corações, também.

- Lembra-te, pois, do que tens recebido e ouvido, guarda-o e arrepende-te (3): A igreja precisava lembrar as grandes bênçãos recebidas e voltar a valorizar a sua comunhão especial com Deus. Se esquecermos da palavra de Deus e da salvação do pecado, facilmente cairemos no pecado (veja 2 Pedro 1:8-9). Mas não é suficiente lembrar das coisas que ouvimos; precisamos guardar as palavras do Senhor. O evangelho não é apenas para ouvir; é para ser obedecido (2 Tessalonicenses 1:8; 1 Pedro 4:17). No caso do povo desobediente de Sardes, teriam de se arrependerem para voltar às boas obras de obediência

- Poucas pessoas que não contaminaram as suas vestiduras (4): No meio de uma igreja quase morta, Jesus encontrou algumas pessoas fiéis! o julgamento final será individual (veja 2:23; 22:12). Cada um receberá “segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo” (2 Coríntios 5:10). Embora as cartas fossem destinadas às sete igrejas, as mensagens precisavam ser aplicadas na vida de cada discípulo.

- Andarão de branco junto comigo (4): Roupas brancas, representando a vitória final sobre o pecado. “Linho finíssimo, resplandecente e puro...são os atos de justiça dos santos” (19:8).

- De modo nenhum apagarei o seu nome do Livro da Vida (5): O "Livro da Vida" é mencionado várias vezes na Bíblia (veja 3:5; 13:8; 17:8; 20:12,15; 21:27; Filipenses 4:3). Paulo disse que as pessoas que cooperavam com ele no evangelho tinham seus nomes escritos no Livro da Vida (Filipenses 4:3). Jesus disse que os nomes dos vencedores que se mantêm puros não seriam apagados deste livro. No julgamento descrito em 20:11-15, esses são condenados ao lago de fogo. Por outro lado, na cidade iluminada pela glória de Deus, somente entram aqueles cujos nomes são inscritos no Livro da Vida (21:27). 
Quem tem ouvidos, ouça (6): Todos devem prestar atenção! 





Conclusão: O processo de morte de uma igreja pode acontecer lentamente, passando quase despercebido. As próprias pessoas na congregação, como outras pessoas olhando de fora, podem achar que esteja tudo bem. Jesus, porém, julga os corações e conhece o estado verdadeiro de cada igreja e cada crente. Quando ele nos chama para ouvir, devemos prestar atenção! 

U M B O M P A S T O R


 – João 10:1-18 – “A seara é grande, mas os obreiros são poucos… O mundo precisa de bons pastores… Para ser um bom pastor, além da vocação, há quatro exigências essenciais:
– CONHECER O SEU TEMPO, Tito 2:12 - Ensinando-nos que, renunciando à impiedade e às concupiscências mundanas, vivamos neste presente século sóbria, e justa, e piamente,
– CONHECER A SI MESMO, 2 Coríntios 13. 5-6,
– CONHECER O SEU REBANHO E SUA CIDADE, Provérbios 27:23 Procura conhecer o estado das tuas ovelhas; cuida bem dos teus rebanhos; 
– E, SOBRETUDO, CONHECER O PASTOR DOS PASTORES, O BOM PASTOR. E, quando aparecer o Sumo Pastor, alcançareis a incorruptível coroa da glória.

– O texto de João 15:1-18 aponta-nos o exemplo supremo de Jesus, o Bom Pastor, e é um guia para quem deseja serví-LO como um pastor.
I. UM BOM PASTOR É UM HOMEM DO SEU TEMPO, vrs 1-8.
1.                  Sempre atualizado com a aldeia global e com a problemática de sua época. 
2.                   Capaz de perceber os sinais dos tempos. 
3.                  Com os pés na terra e os olhos fitos no céu. 

II. CONHECE A SI MESMO – “Eu sou vrs 9-14
Conhece a sua finitude – Jó: Eu te conhecia só de ouvir, mas agora os meus olhos te vêem, e por isso eu me arrependo no pó e na cinza”.
 Pedro, diante da pesca maravilhosa, grita: “Retira-te de mim, Senhor, porque sou um homem pecador.”- Lucas 5:8.

III. CONHECE DEUS -   “Ai de mim! Estou perdido! Porque sou um homem de lábios impuros e habito no meu de um povo de impuros lábios, e meus olhos viram o Rei, o Senhor do universo” – Is 6:5.
1.                  Como Jesus ele é um servo que lava com alegria pés… Como Jesus ele ama e deve amar até o fim.
2.                  Tu me amas? Tu me amas? Tu me amas? – Apascenta as minhas ovelhas.” Amar a Jesus Cristo é amar as suas ovelhas. Um bom pastor vive debaixo deste imperativo de amor.

CONCLUSÃO: Para tal ministério, quem é capaz? “A nossa capacidade vem de Deus”. É Ele quem nos diz: “A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza”.

Seu desafio, é o de ser um bom pastor olhando sempre para O BOM PASTOR. Vivendo em plena pós-modernidade e vive numa cidade moderna no coração do Brasil. Ele é, você está sendo, Ele ama, você está aprendendo a mar.

Seu sonho, um bom pastor sonha em não ser mais necessário porque assumiu a filosofia de ministério de João Batista: “Convém que Ele cresça e que eu diminua”. 
– QUE VOCÊ SEJA UM BOM PASTOR.


VIVENDO NO MUNDO DE MARTA SOB A FILOSOFIA DE VIDA ESPIRITUAL DE MARIA


 - ( Lucas 10.38.42)
As demandas deste mundo cheio de ocupações não nos deixam muito tempo. Como Marta você ama Jesus e realmente quer servi-lo, apesar de enfrentar batalhas interiores como fraqueza, ressentimentos e sentimentos de inadequação. Há um chamado para conhecer e amar a Deus, porém, você está exausto e você não sabe como encontrar tempo para nutrir sua vida espiritual, às vezes temos a impressão que ela é uma obrigação, uma coisa a mais para adicionar a sua vida que é cheia de responsabilidades. Você deseja a Deus, porem está desanimado com tantos afazeres, com tantas coisas que você sabe que precisa fazer, que o devocional se torna quase que um peso. Esse é o mundo de Marta.
- Maria tinha o coração cheio de desejo de ouvir a Jesus, enquanto Marta estava cheia de desejo em servi-lo com o seu trabalho.
- Marta preparou tudo, fez o que estava ao seu alcance porem esgotou-se e precisou de ajuda. Então ela procura sua irmã.
- Ela chega a sala e encontra Maria sentada aos pés de Jesus. Aquilo foi um abuso, enquanto ela se matara de tanto trabalhar Maria estava ali sentada. Marta estava no seu mundo. Ela com ar de desconforto e desapontamento então lança uma pergunta para Jesus: Mestre o Senhor não se preocupa? Esta declaração revela bem as ansiedades e as dúvidas que pessoas como Marta carregam dentro de si. Elas fazem muito, se sobrecarregam e sempre experimentam uma sensação de frustração e desapontamentos. Ela queria provar o seu amor por Jesus fazendo algo e nós percebemos que nem sempre o que Jesus quer é que façamos. As vezes Ele quer apenas que o conheçamos mais e mais, que tenhamos intimidade com ele.
Ela demonstrou uma hospitalidade incrível, mas o coração ainda estava fechado para aquilo que Jesus chamou de a melhor parte.
1- DESISTA DE OFERECER A DEUS O QUE VOCE ACHA QUE ELE PRECISA E NÃO O QUE ELE DESEJA. - Muitas vezes nós queremos fazer aquilo que achamos que Deus precisa e esquecemos de fazer o que ele deseja. Marta queria agradá-lo fazendo algo, afinal ele era seu hospede, mas ela esqueceu de procurar saber o que ele desejava. Deus quer intimidade, - Deus quer relacionamento -  Deus quer companhia - Deus quer que você o ouça e o conheça cada vez mais. Como está escrito no salmo 46: aquietai-vos e sabei que eu sou o Senhor.

2. O DIAGNOSTICO DE JESUS - Quando esquecemos a melhor parte podem surgir então as três máximas mortais que Satanás lança sobre nós em nossa caminha: Distração, Desencorajamento e Dúvida.
2.1 UM CORAÇÃO DISTRAIDO - Muitas vezes distraímos e perdemos o nosso alvo. Preocupamo-nos com tantas coisas e esquecemos o principal.
2.2 DESENCORAJAMENTO - O desencorajamento é causado pela frustração e vem quando as coisas não saem do jeito que gostaríamos que saíssem. Quando elas fogem do nosso controle. Elias, o profeta. 1 Reis capitulo 19.
2.3  - DUVIDAS Mestre o Senhor não se importa?” Quantas vezes o resultado não esperado nos faz questionar sobre o amor de Deus e suas intenções para conosco? Elias diante de uma situação difícil pediu a morte. Marta apreensiva e ansiosa pergunta se Jesus não se importa.
3.DUAS COISAS IMPORTANTES NO DIAGNOSTICO DE JESUS: PREOCUPAÇÃO E ANSIEDADE.
- Preocupação pode se tornar um hábito. Existem pessoas que chegam ao cúmulo de proibir um filhos de brincar por achar que eles vão se machucar.
- A solução para esse dilema está escrito na carta de Paulo aos Filipenses capítulo 4 versículos 6 e 7.: “ Não andeis ansiosos por coisa alguma,...

1- NÃO ANDEM ANSIOSOS POR COISA ALGUMA
2- OREM ACERCA DE TUDO
3- SEJAM AGRADECIDOS POR TUDO

CONCLUSÃO: Jesus disse que apenas uma coisa era necessária e Maria escolheu a melhor parte. Marta estava distraída com muitas coisas. (três pedras para amontanha). Assim está também muitos de nós. Marta precisou ser tratada pelo Senhor. Ao final desta história nós percebemos duas irmãs que foram transformadas pelo poder de Deus. Maria que era contemplativa, parte em direção do Mestre e quebra o vaso de alabastro em uma cena inusitada e Marta em outra ocasião está retirando a pedra em obediência à voz do Mestre.





Lições da história de Jefté


 Juízes capítulo 11  -   Introdução: Você já deve ter visto um presidente de uma nação visita outro país, e fazer uma cerimônia protocolar levando flores ao Túmulo do Soldado Desconhecido?
Por que honrar um desconhecido?
Porque boa parte da batalha foi travada por homens que nunca saberemos o nome, mas que foram imprescindíveis na guerra.
SOMOS UM SOLDADO SEM NOME. Lutamos diariamente contra nós mesmos, medos, traumas, marcas que as feridas da vida deixaram em nós, impressões malditas de um destino maldito assombram a nossa porta.
Hoje gostaríamos de extrair algumas lições da história de um homem chamado Jefté, eu quero afirmar para você que o destino de sua origem ou de seu meio não precisa ser terminal na sua existência.
Esta é a história de um menino judeu que nasceu “na zona” e terminou “na corte”! Nasceu e viveu sem dignidade, mas acabou a vida como JUIZ DO SEU POVO, o mais alto cargo daquela época! Vejamos sua trajetória e suas lições!





1.  Jefté era um homem que carregava consigo uma marca que não queria cicatrizar, pelo menos aos olhos do mundo ao seu redor: ERA FILHO DA PROSTITUTA!
2.  Era um guerreiro corajoso, mas ERA FILHO DA PROSTITUTA. Currículo pesado para quem quisesse ser grande na vida!
3.  Seus irmãos o rejeitaram e o expulsaram de casa por que ERA FILHO DA PROSTITUTA
4.  Foi obrigado a viver entre marginais, pois só ali havia lugar para um rejeitado filho da prostituta; filho do pecado, filho da iniquidade, do preconceito, do desamor, da crueldade humana que vende e compra o corpo humano como um objeto.
5.  Mas um dia o sol da justiça raiou na vida de Jefté. Os terríveis amonitas fizeram guerra contra Israel e assim como nos tempos de Davi e Golias, não havia quem liderasse o povo judeu. Jefté aceitou a oferta desde que fosse feito Juiz de Israel após a vitória. Deus lhe deu a vitória e Jefté venceu o estigma do destino.
6.  O Novo Testamento lhe coloca na galeria dos heróis da fé!  Hb. 11

OS QUATRO ERROS DO SEU JULGAMENTO:
1.     Foi julgado pela sorte de sua origem e não pelo seu caráter.
1.1 – Era filho de uma prostituta, mas era incapaz de ser insincero, vivia no meio de homens levianos, mas não se deixou influenciar. É um desafio, a psicologia comportamentalista diz que o homem é produto do meio, (Deus diz o meio não determina o Fim)
1.2 – Quantos filhos de papais matam e roubam e a sociedade cala a boca, porque ele é filho de fulano, mas Jefté era filho da Prostituta, qualquer erro seu seria superdimensionado.

2.     Foi julgado com desprezo por ter uma desvantagem na arena da vida
2.1 – Como ele muitos de nós nascemos com desvantagens, negros, cegos, coxos, nordestino, matuto, brasileiro, pobre, filho de pobres iletrados, filho de ladrões, prostitutas, mas Jefté foi abandonado pelos próprios irmãos por parte de pai.
2.2 – Hoje em dia o dinheiro nos divide. A sociedade tem a tendência de excluir aqueles que de uma forma ou de outra não se incluem, não se conectam conosco, não nos interessam. É como em um avião. Primeira classe tem tudo até banheiro demais.
2.3 – O filme a Inteligência Artificial de Steven Spielberg é uma crítica a esta desumanização. Quando os robôs são considerados obsoletos, são jogados fora, assim como acontece conosco hoje!

3.  Foi julgado como se Deus o tivesse esquecido
3.1 – Deus tem preferências – Lia diante de Raquel...Davi em meio aos seus irmãos fortes e bonitos
3.2 – A preferência de Deus é pelos rejeitados....Deus pega o barro jogado fora e transforma no futuro rei do seu povo.
3.3 – Por isso Jesus disse, Alegrai-vos quando vos rejeitarem e perseguirem e disserem todo mal contra vós...

TRÊS CONSELHOS BÁSICOS AOS JEFTÉS DA VIDA

1. NÃO SE DEIXE ARRASAR PELAS CIRCUNSTÂNCIAS DA VIDA PELAS QUAIS VOCÊ NÃO É O RESPONSÁVELA
a.     Jefté não se limitou por ser filho de uma prostituta.
b.     Não permita que as circunstâncias sejam determinantes para seu futuro. A vida não pode lhe derrotar se você chamar Deus para sua frente e lutar com ânimo...”eu venci o mundo...”
c.     A maioria das pessoas está presa a sua sorte...sou feio, sou baixinho, nariz muito grande, não sou inteligente...
Seu papel é mostrar que as forças do destino cruel não prevalecem na sua história.  O Que Deus honra ninguém desonra...

2. NÃO DESPREZE O TEMPO DE EXÍLIO  -  Jefté usa o tempo entre os marginais para aprender a lutar com eles. O que você tem aprendido no exílio da vida, quando pessoas lhe menosprezam?

3. QUANDO DEUS ABRIR A PORTA QUEIRA O MELHOR  - Jefté bradou, Quero ser Líder, quero ser cabeça. E você? O Mercador de pérolas vendeu tudo por uma pérola de maior valor. Mateus 13:45,46

O homem a quem Deus usa


 - Referência: Lucas 3.1-14
- 1. A maior necessidade do mundo é de Deus, que sejam usados por Deus. Deus não unge métodos, Deus unge homens. Não precisamos de melhores métodos, mas de melhores homens.
- 2. Havia 400 anos que a Nação de Israel estava sem ouvir a voz profética. Ele não veio da classe sacerdotal. Não veio do palácio. Mas veio a Palavra do Senhor a João, no deserto. Deus usa gente estranha, em lugares estranhos.
- 3. João Batista era fruto de profecia, resposta de oração, milagre do céu.






I. JOÃO É UM HOMEM COM UMA MISSÃO – V. 4
1. Por que Deus usou este homem?
a). Porque ele não era um caniço balançado pelo vento (Mt 11:7-11)
Hoje estamos vendo líderes vendendo seu ministério, negociando valores absolutos, mercadejando o evangelho. João não transigia com a verdade. Ele denunciava o pecado na vida do rei, dos religiosos, dos soldados e do povo.
Ele não era um profeta da conveniência. Seus inimigos diziam: Tem demônio; Jesus dizia: É profeta!
b). Porque era uma lâmpada que ardia e alumiava (Jo 1:6-9)
Ele não era a luz, mas uma lâmpada que ardia e alumiava. Ele apontou para Jesus: “Eis o Cordeiro de Deus”. Ele não buscou glórias para si mesmo. Disse: “Convém que ele cresça e eu diminua”.
Ele era como uma vela: iluminou com intensidade enquanto viveu.
c). Porque ele não era um eco, mas uma voz (Jo 1:22,23)
João não apenas proferia a verdade, ele era boca de Deus. Ele falava com poder. Hoje, há muitas palavras, mas pouco poder; as pessoas escutam belos discursos, mas não vêm vida. Ele prega o conhece e experimenta. Ele não era da elite sacerdotal. Ele não estava no templo. Mas havia poder em sua vida.
Não basta ser um eco, é preciso ser uma voz. Não basta carregar o bastão profético como Geazi, é preciso ter poder como Eliseu. Não basta falar aos homens, é preciso conhecer a intimidade de Deus.
“Se Deus não falou com você, não fale a nós.”
d). Porque ele era um homem humilde (Mt 3:11)
João Batista disse: “eu não sou digno de desatar-lhe as correias das sandálias”. Disse ainda: “Convém que ele cresça e eu diminua”.
Lata vazia é que faz barulho. Espiga chocha é que fica empinada.
O albatroz voa baixo porque tem o papo muito grande.
e). Porque ele era um homem corajoso (Lc 3:19)
João Batista não aplaudiu Herodes quando ele casou-se com a mulher do seu irmão. Ele denunciou o pecado do rei. Ele preferiu ser preso e ser degolado do que transigir com a verdade. Ele preferiu a morte à infidelidade.
Hoje, há pastores que vendem o ministério e a própria alma por dinheiro. Em vez de denunciar o mal, praticam-no.
f). Porque era um homem cheio do Espírito Santo (Lc 1:15)
João Batista era um homem cheio do Espírito Santo desde o ventre materno.
Aos 5 meses de idade, estremeceu de alegria no ventre da sua mãe. Aos 5 meses já vibrava por Cristo. Há muitos que envelhecem frios e indiferentes ao Salvador.

2. Como Deus usou este homem?
a) Deus usou este homem para aterrar os vales (Lc 3:5)
Vale é uma depressão, um buraco – Há abismos na vida do povo: impureza, desânimo, comodismo, mundanismo.
Vale separa dois montes – Falta de comunhão, mágoa, contendas, maledicência.

b) Deus usou este homem para nivelar os montes (Lc 3:5)
Montes falam de soberba – O orgulho são montanhas que impedem a passagem do Senhor. Onde há soberba Deus não se manifesta. Nabucodonosor foi comer capim. Herodes foi comido de vermes.
Montes falam de incredulidade – A incredulidade nos afasta de Deus e de suas bênçãos.

c) Deus usou este homem para endireitar os caminhos tortos (Lc 3:5)
Caminho torto fala de duplicidade, hipocrisia, e desonestidade – Muitas pessoas são impedimentos para a manifestação de Cristo, porque têm vida dupla. São uma coisa na igreja e outra em casa.

d) Deus usou este homem para aplainar os caminhos escabrosos (Lc 3:5)
Caminho escabroso fala de algo que está fora do lugar – Há algo fora do lugar em sua vida: vida devocional? Namoro? Casamento? Dinheiro? Dízimo?

II. É UM HOMEM COM UMA MENSAGEM – Lc 3:8
1. A Palavra que ele prega é Palavra de Deus e não palavras de homens – Lc 3:2

2. O cenário em que ele prega e quem ele é demonstram que Deus pode trazer restauração para a nação a partir do próprio caos de crise que se encontrava. (Mt 3:5)

3. As pessoas que ele chama ao arrependimento revelam sua ousadia espiritual
a) Os fariseus e saduceus (Mt 3:7-9) – Ele denunciou os conservadores fariseus e os liberais saduceus. A religião judaica estava tomada por um bando de homens não convertidos.
b) A multidão (Lc 3:10) – “Que havemos de fazer?” Quem tiver duas túnicas reparta com quem não tem. Quem tiver comida, faça o mesmo.
c) Os Publicanos (Lc 3:12) – “Não cobreis mais do que o estipulado”. Honestidade nas transações. Deixem de lado o superfaturamento.
d) Os soldados (Lc 3:14) – “A ninguém maltrateis, não deis denúncia falsa, contentai-vos com o vosso soldo”.
e) Herodes (Lc 3:19) – João denunciou o pecado do rei. Chamou-o de adúltero.

III. É UM HOMEM COM UMA CONVICÇÃO – Lc 3:9: “Mas já está posto o machado à raiz das árvores; toda árvore, pois, que não produz bom fruto é cortada e lançada no fogo”.
1. A mensagem de Deus é arrepender e viver ou não arrepender e morrer

2. A mensagem de Deus é um apelo urgente a todos

CONCLUSÃO: João pregou o arrependimento e o arrependimento prepara o caminho para uma grande bênção.

Anúncio