Os Dois Perigos da Vida..


Os Dois Momentos Perigosos Na Vida... Daniel 6.4,5
Há dois momentos na vida que são perigosos, principalmente quando não há profundidade de caráter e nem vida espiritual consistente.
1º O primeiro é quando se está no topo da montanha do sucesso; quando tudo o que se faz dá certo, quando as coisas acontecem melhor do que planejamos; quando tudo é motivo para celebração ou quando se alcançou uma posição de relevância e respeitabilidade. Você já ouviu dizer que “o sucesso é um terreno minado?”

Vamos usar, como ilustração, a “pirâmide do sucesso”. Enquanto você está na parte baixa da pirâmide, o espaço para os seus movimentos é grande. Poucos o conhecem, ninguém presta muita atenção em você e suas ações não representam perigos ou ameaças... Esse é um tempo relativamente tranquilo.

A). Enquanto o profeta Daniel era apenas mais um escravo na Babilônia, ninguém prestava atenção nele. Porém, na medida em que ele foi “subindo de posto”, sendo reconhecido como alguém que estava fazendo toda a diferença no reino de Nabucodonozor, o espaço para os seus movimentos foi diminuindo.
Cada degrau que ele subia, se expunha mais e era mais observado, analisado, notado, vigiado e perseguido. Chegaram ao ponto de vasculhar a sua vida para ver se achavam algo que comprometesse a sua integridade de caráter: “Então os presidentes e os sátrapas procuravam achar alguma prova contra Daniel, a respeito do reino, mas não conseguiam localizar nada que pudesse incriminá-lo ou culpá-lo por alguma coisa, porque ele era fiel, e não se achava nele nenhum vício nem culpa. Então esses homens disseram: Nunca acharemos ocasião alguma contra este Daniel, se não a procurarmos contra ele na lei do seu Deus” (Dn 6.4,5; grifo do autor).

B). O sucesso é muito perigoso, porque a tendência de quem está “no topo” é a de relaxar, de “baixar a guarda” e acreditar naquilo que não é verdade, ou seja, pensar possuir aquilo que, na verdade, não possui.

Diz a Bíblia que Daniel, como integrante do governo da Babilônia, conseguiu superar todas essas tentações; e se manteve íntegro e fiel a Deus, apesar de ter chegado ao “topo da pirâmide” do sucesso.

Provérbio Popular: “Dê poder a um homem, e conhecerás o seu verdadeiro caráter”. Se o diabo não puder usar o fracasso para derrubar você, ele usará o sucesso. Mas os homens que têm sua vida construída segundo os princípios das Escrituras Sagradas não se perdem quando conquistam posições elevadas ou assumem qualquer tipo de poder. Pelo contrário, eles glorificam a Deus através de suas vidas.
Viva de forma criteriosa e disciplinada. Desenvolva sua comunhão com Deus, não tire os olhos de Jesus, vença a tentação de se relaxar, “baixando a guarda” e se tornando uma presa fácil do Inimigo. É no topo, no degrau mais alto, que o homem deve reconhecer que foi Deus quem o colocou ali. E esse reconhecimento é a sensação mais maravilhosa que pode ocorrer aos nossos olhos!

Os homens verdadeiramente grandes são aqueles que reconhecem a sua pequenez diante da grandeza do Criador Eterno, o Senhor Deus Todo-Poderoso. João Batista, disse: “É necessário que ele cresça e que eu diminua” (Jo 3.30).

2º O segundo momento mais perigoso na vida é o tempo das perdas. O apóstolo Paulo chama esse tempo de dia mal: “para que possais resistir ao dia mal e, havendo feito tudo, ficar firmes” (Ef 6.13).
Jesus começa uma parábola falando de um pai que experimenta esse tempo. De repente, o filho caçula, aquele que todo pai sempre tem um cuidado especial, se rebela, manifestando algo extremamente maligno, destrutivo e inadmissível. Ele diz: “Pai, dá-me a parte dos bens que me pertence”. Ele pede a sua parte da herança (Lc 15.12), porque deseja ir embora de casa.
- A atitude desse filho estava sendo uma afronta, um desrespeito, uma agressão. Nas entrelinhas, ele estava dizendo: “Você não faz mais sentido na minha vida... Cansei. Para mim, se você morresse seria melhor”. Se coloque no lugar de um pai que passou por isso e tente dimensionar a dor em sua alma.
- Quanto vale um filho? Só quem gera, educa, protege, cura, sustenta e investe sabe qual é a intensidade da dor da perda de um filho.

também experimentou a dor da perda, pois em um único dia, ele presenciou o sepultamento de seus dez filhos. Toda perda de grande valor gera crise, e o grande desafio nesse tempo é:  o que fazer para não se perder com as perdas?
Quantas pessoas, ao perder alguém ou algo de valor significativo, acabam se perdendo?  Esposas que se perdem ao perder o marido; filhos que se perdem ao perder os pais; empresários que se perdem ao perder sua empresa! 
- Para os chineses, crise pode significar duas coisas: “perigo” ou “oportunidade de crescimento”. Tudo depende da leitura que cada um faz. 
Há dois homens na Bíblia, cuja biografia serve de inspiração para todos nós. Os dois passaram por caminhos de aflições e souberam fazer uma leitura muito positiva das perdas que enfrentaram.

A). O primeiro é José, filho de Jacó com Raquel (Gn 30.22-24). Ele perdeu tudo ao ser vendido, como escravo, pelos próprios irmãos. O impressionante da história de José é que ele chegou ao Egito como escravo (Gn 37.36) e terminou como príncipe (Gn 41.41). O nome que ele colocou em um dos seus filhos resume como ele encarou as adversidades que enfrentou: “Ao segundo (José) chamou Efraim, e disse: Deus me fez crescer na terra da minha aflição” (Gn 41.52).

B). O segundo homem que soube fazer uma leitura positiva das adversidades foi o apóstolo Paulo. No capítulo 11 da sua primeira carta aos coríntios, ele descreve o quanto foi difícil esse tempo de provações.  Ler (2 Co 11.23-33).

O apóstolo Paulo nunca se deixou amargurar com as experiências amargas que teve; muito pelo contrário, ele enfrentava as adversidades sem perder a doçura. As cartas que ele escreveu na prisão estão carregadas de expressões que revelam sua saúde interior. Só quem é capaz de fazer uma leitura positiva da crise pode declarar:
“E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a paciência, e a paciência a experiência, e a experiência a esperança. E a esperança não traz confusão...” (Rm 5.3-5;).

É interessante que o apóstolo Paulo diz que a “crise produz caráter”. Quem consegue ter está percepção nunca se perde em meio às tribulações da vida. Pelo contrário, cresce. Este é o propósito de Deus em nos levar ao deserto: lugar de crescimento. A adversidade é a poeira do diamante com que os céus costumam polir as suas joias. Você já parou para observar como a borboleta sofre para chegar a ser o que é?

- Conta-se que certo dia, uma pequena abertura apareceu no casulo. Um homem sentou-se e, por várias horas, ficou observando a borboleta e a forma de como ela se esforçava para fazer com que seu corpo passasse através daquele pequeno buraco. Então, ela parou de fazer qualquer progresso. Parecia que ela já havia avançado o mais que podia, e não conseguiria ir mais longe. O homem decidiu ajudar a borboleta: pegou uma tesoura e cortou o restante do casulo. A borboleta saiu facilmente, mas seu corpo estava murcho, era pequeno e tinha as asas amassadas. O homem continuou a observar a borboleta porque ele esperava que, a qualquer momento, as asas dela se abrissem e esticassem e fossem, então, capazes de suportar o corpo que iria se firmar com o tempo. Mas nada disso aconteceu. A borboleta passou o resto da sua vida rastejando, com um corpo murcho e com as asas encolhidas. Ela nunca foi capaz de voar. O que o homem, com sua gentileza e vontade de ajudar, não compreendia, era que o casulo apertado, e o esforço necessário para a borboleta passar através da pequena abertura, eram o modo com que Deus fazia para que o fluido do corpo da borboleta fosse para as suas asas tornando-a pronta para voar, uma vez que estivesse livre do casulo. Deus permitiu essa crise pra você aprender a voar.

- Na maioria das vezes, não recebemos nada do que pedimos, mas recebemos tudo o que precisávamos. 

O pai do “filho pródigo” perde, mas não se perde. Ele vence o absurdo da vida, protegendo a sua alma, guardando o seu coração e se enchendo de esperança. Sei que a maioria já passou ou está passando por um momento de crise.

- Em um tempo como esse, é necessário compreender que “Deus está no controle de todas as coisas”.
·         Ainda que se perca um filho, continue acreditando que filhos são herança do Senhor.
·          Ainda que se perca o cônjuge, continue acreditando que o casamento é um projeto de Deus,
·         Ainda que você perca a família, continue acreditando que a família é uma instituição divina.
·         Ainda que se perca todos os bens materiais, continue acreditando que nada acontece por acaso na vida de quem é dirigido pelo Senhor Deus.

William Penn, o fundador da província da Pensilvânia disse: “Sem dor, não há vitória; sem espinhos, não há trono; sem fel, não há glória; sem cruz, não há corôa”.

Atitudes de Abraão que apontaram sua fé para o sacrifício de Isaque.

Texto Base: Gênesis 22 v 1-14

Introdução: Aquela era a maior provação da vida de Abraão, Deus havia requerido o filho da promessa, a maior riqueza que Abraão possuía e Abraão pela sua obediência e Fé obedeceu a palavra do Senhor. 
Quando Abraão chegou no pé do Monte Moriah ele tomou  quatro atitudes que foram importantíssimas para que ele vencesse aquela provação.

1- Separou-se dos servos. - Imagine Abraão diante do Altar e os seus servos olhando aquela cena seria desastroso, ou quem sabe os servos iriam tentar impedir Abraão de colocar o seu filho sobre o altar, pois na visão dos servos aquele ato seria encarado como loucura. Então Abraão se separa de tudo aquilo que pudesse impedir que ele tivesse uma experiência maior com Deus.
Se separe de tudo aquilo que está impedindo que você tenha uma intimidade maior com Deus, se separe do mundo, do pecado, das paixões, pois Deus quer se revelar pra você no cume do Monte, a fé é sua, a visão é sua, cada um tem sua própria intimidade com Deus. Você precisa se desvencilhar de quem não vai compreender o mistério que Deus tem com você. 

2 - Deixou o jumento com os servos. - Quando se fala de jumento na bíblia se fala de força física, auxílio pra viagem, terceirização de carga, de peso, que tem jumento tem transporte, tem facilidade. Será que não temos elegido algum jumentinho, no qual depositamos um pouco de nossa confiança e tem nos proporcionado comodidade. Dependência de Deus.
Quando Abraão deixa o jumento ele estava renunciando tudo aquilo que lhe proporcionava facilidades para o seus no caminho. Devemos abandonar a busca das facilidades desta vida, devemos parar de acreditar na força do dinheiro, das influências dos “chegados”, na força da nossa intelectualidade, deixar de confiar nos terceiros desta vida e acreditar na força do nosso Deus.

3 - Tomou possa da lenha. – LENHA, FOGO E CUTELO. Lenha aponta para o serviço, o que você faz, o fogo aponta para tua batalha, tua luta pra fazer e o cutelo para como você faz, pois precisa estar pautado no fio da palavra de Deus.
- Quem toma posse da lenha sai do estado de comodidade, até aquele momento Abraão estava dependendo dos servos e do jumento, auxiliados por terceiros.
Quando Abraão tomou posse do fardo da lenha do sacrifício proposto por Deus, Abraão assumiu a responsabilidade daquilo que ele tinha por objetivo; levar até o altar e as últimas consequências num ato de adoração e de obediência. Deus não aceita que a lenha do sacrifício seja levada pelos jumentos da vida, como não aceitou a Arca da Aliança ser carregada em carros de boi.
Na nossa vida espiritual temos que tomar posse da lenha, do fardo, da cruz que nos foi proposta, pois aquele que não toma posse da sua cruz jamais terá uma experiência intima com Deus. Existem crentes que querem terceirizar o serviço, a adoração, a leitura da bíblia comendo o enlatado do fecebook, da internet, terceirizam a oração enquanto pedem muito e oram pouco, até a conquista das almas tem gente terceirizando, organizam e crescem igreja sem arrancar uma alma do inferno apenas pegando crente que custou trabalho suor e lagrimas dos outros. Pega tua lenha, sobe teu Moriah porque lá te encontraras com Deus.

4 - Confiou na providencia de Deus.  Quando Isaque perguntou onde estava o cordeiro, imediatamente ele respondeu “Deus proverá o cordeiro para si”, ou seja, ele colocou toda sua confiança na providencia de Deus, mesmo não sabendo da existência de um cordeiro que estava sobre o monte.

Mesmo que você não esteja vendo o cordeiro da providencia confie, pois Deus providenciará a solução.  Conclusão: Faça como Abraão para que você possa desfrutar das bênçãos de

"EU FAÇO O QUE POSSO, O QUE NÃO POSSO... PACIÊNCIA...".



- 2º Crônicas - 12 - 10 : 0 INTRODUÇÃO: O episódio talvez não seja conhecido, mas nos deixa grande lição. Roboão era filho do rei Salomão (sucessor). Um fato narrado nas Escrituras Sagradas define com precisão o caráter de Roboão. Seu pai Salomão afligiu o povo com altos impostos, seus conselheiros, anciãos, pediram clemência. Mas ele preferiu os conselhos de seus amigos de infância. Ele foi cruel:" se meu pai vos afligiu com açoites, eu vos afligirei com escorpiões, o meu dedo mínimo pesará mais do que a mão de meu pai..." E desse modo o reino de Israel foi dividido em RN e RS. Na divisão do reino, o rei perdeu tudo o que era precioso da casa de Deus. E entre os objetos de grande valor que perdeu, achava-se os "escudos de ouro da Casa Real". Os escudos eram para saudar o rei ao entrar e sair de sua casa. Judá era uma nação teocrática. O rei era o representante de Deus. Os escudos de ouro refulgiam a glória do Senhor naqueles momentos significativos e de grandes bênçãos. O rei Roboão não tinha mais os escudos de ouro, na divisão do reino levaram para o outro reino. Mais ele não perdeu tempo, pois os escudos de ouro eram peças importantes no reino. Era símbolo dos reflexos divinos. Pois Roboão desejando os escudos de ouro, mandou fazer escudos de bronze. Aplicou aquela velha filosofia: "EU FAÇO O QUE POSSO, O QUE NÃO POSSO... PACIÊNCIA...". Mas a ordem de Deus era que os escudos fossem de ouro. Naturalmente racionou: "Não tenho ouro, vai bronze mesmo". Muitos, infelizmente usam esta filosofia para, em sua ignorância, tentarem remediar, remendar, fazer um enredo de vida devocional e espiritual, porém ninguém é capaz de enganar a Deus.
 
I – em lugar do ouro de uma culto verdadeiro e racional, preferem colocar o bronze da liturgia: se preocupam com a multiplicação dos elementos da liturgia nos cultos, a organização visual e esquecem da organização invisível, trocam a adoração pela apresentação, o altar vira palco, o louvor apenas música, a unção é confundida com a criatividade malabarista de alguém.
II – SUBSTITUEM O OURO DA ORAÇÃO PELO BRONZE DE PALAVRAS REPETITIVAS DITAS EM CURTOS MOMENTOS DE RITUAIS: Não reservam tempo para orar. Querem testemunhar de Cristo, mas não oram. Intimamente aprovamos os mandamentos do Senhor a respeito da oração, mas a deixamos de lado. Limitamo-nos a repetir as poucas palavras antes das refeições e durante programados na igreja.

III – SUBSTITUIMOS O OURO DA COMUNHÃO PELO BRONZE DO SOCIAL: Não é sem propósito que a igreja dos nossos dias parecem mais um clube de amigos dispostos a passar a mão na cabeça uns dos outros para justificarem negligências e falta de compromissos com Deus e com o seu Reino, preservando-se e recusando corrigir e serem corrigidos no curso de suas vidas como participantes da comunidade cristã. E tal amizade termina em cumplicidade em detrimento do Reino.

IV - EM LUGAR DO OURO SO SERVIÇO PRETENDEM O BRONZE DAS FANTASIAS: Isto é, trabalhos fáceis, que não custam grandes esforços. Com isso largamos à armadura de Deus em meio à batalha, e nos contentamos com qualquer resultado. Há muito crentes irresponsáveis no serviço do Senhor. O bronze do comodismo em vez do ouro do serviço ao Senhor. Estamos dispostos a madrugarmos em busca do dinheiro, estamos dispostos a caminhar quilômetros pra baixa a barriga e melhorar a estética de nosso cormo, porém as vesses com carro na garagem, gasolina no tanque, saúde no corpo deixamos de vir ao culto por uma pequena librina estar a cair, a noite não está pra culto. Criamos uma fantasia de que somos servos de Deus.

V – EM LUGAR DO OURO DA FIDELIDADE NOS DIZIMOS E NAS OFERTAS, ABRAÇAMOS O BRONZE DA DESCULPAS: Para quem não quer dizimar há muitas desculpas: "o dízimo é lei do A T.; eu estou no N.T.; só darei quando sentir no meu coração (o diabo nunca vai deixar você sentir este prazer); se eu der? onde a igreja vai aplicar?". O ouro da adoração é trocado pelo bronze das desculpas e muitas almas gemendo nas trevas, indo para o inferno e você prendendo e roubando o dinheiro de Deus! Muito sangue vai cair sobre seus ombros no Dia do Senhor!
 
VI – EM LUGAR DO OURO DE UMA VIDA DEVOCIONAL PIEDOSA NOS ACOMODAMOS AO BRONZE DE UMA VIDA RELIGIOSA MEDÍOCRE. A religião é o ritual, a obrigação, as cerimônias e tem a ver com o que os outros veem em nós, a devoção é nosso culto racional, nossa adoração sincera, nosso sacrifício vivo e santo, nosso culto interno e tem a ver com o que Deus ver em nós e como nós o vemos.  
CONCLUSÃO - Não pense como Roboão, Fuja desta filosofia que "EU FAÇO O QUE POSSO, O QUE NÃO POSSO... PACIÊNCIA...". Dê para Deus o ouro de sua vida. Precisamos comprar de Deus ouro e vestiduras brancas, para enriquecer nosso coração.

Um Convite para a Renovação e o Arrependimento

Isaías 1:18 -  “Vinde, então, e argüi-me, diz o SENHOR; ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a branca lã.”
Isaias foi um profeta usado por Deus para transmitir uma mensagem de Juízo e livramento para o povo de Deus.

1º Nos capítulos iniciais de seu livro, diz que Deus irá castigar Jerusalém por causa da corrupção espiritual do povo
É interessante frisar aqui que do ponto de vista humano, a nação estava prosperando, mas do ponto de vista divino Deus compara a condição espiritual de seu povo a situação de um campo de batalha devastado. No cap. 1:7 o profeta declara: “A terra de vocês está arrasada, as cidades foram destruídas pelo fogo. Na presença de vocês, os estrangeiros arrasaram a sua terra, e ela ficou em ruínas. Os estrangeiros acabaram com ela”.

2º Este capitulo inicial descrevem a queixa de Deus e a sua insatisfação com a frieza espiritual do povo
A corrupção espiritual do povo era tão grande que Deus responde dizendo-lhes que recusará suas orações, seus sacrifícios e até mesmo o culto, pois não havia sinceridade em seus corações.
- No capitulo 1, versos 15 e 16 Deus diz: “Pelo que, quando estendeis as mãos, escondo de vós os olhos; sim, quando multiplicais as vossas orações, não as ouço, porque as vossas mãos estão cheias de sangue. 16 Lavai-vos, purificai-vos, tirai a maldade de vossos atos de diante dos meus olhos; cessai de fazer o mal.” (Isaías 1:15-16 )
O mais impressionante é que essas pessoas que estavam em pecado, consideravam-se religiosas. Julgavam que suas práticas religiosas estavam sendo aprovadas por Deus, mesmo sem arrependimento continuavam oferecendo sacrifícios, sendo que não compreendiam que SACRIFÍCIOS NADA SIGNIFICAM PARA DEUS SE ESTÃO VINDO DE CORAÇÕES QUE ABRIGAM A CORRUPÇÃO, Deus ao contrário, deseja que o amemos, confiemos nEle e nos afastemos do pecado.

3º Um convite: “Vinde, então, e arrazoemos, diz o SENHOR; ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a branca lã.” 1:18
- O carmesim era uma tinta vermelha, que de tão forte era impossível de ser removida das roupas. 
- Muitos podem achar que as manchas de alguns pecados são permanentes, mas Deus está nos mostrando que irá remove-las de nossas vidas.

Deus faz um convite ao seu povo, para nos mostrar que não precisamos ter uma vida permanentemente manchada pelo pecado, pois há uma outra opção. A palavra de Deus nos assegura que se formos obedientes, Cristo nos perdoará e removerá todas as manchas.
É vem a ser esta a esperança a que se apega o salmista no salmo 51: 1-7. Ele clama a Deus para que seus pecados sejam removidos. Ele declara: 1 Compadece-te de mim, ó Deus, segundo a tua benignidade; e, segundo a multidão das tuas misericórdias, apaga as minhas transgressões. 2 Lava-me completamente da minha iniquidade e purifica-me do meu pecado. 3 Pois eu conheço as minhas transgressões, e o meu pecado está sempre diante de mim. 4 Pequei contra ti, contra ti somente, e fiz o que é mal perante os teus olhos, de maneira que serás tido por justo no teu falar e puro no teu julgar. 5 Eu nasci na iniquidade, e em pecado me concebeu minha mãe. 6 Eis que te comprazes na verdade no íntimo e no recôndito me fazes conhecer a sabedoria. 7 Purifica-me com hissopo, e ficarei limpo; lava-me, e ficarei mais alvo que a neve.

Um grande evangelista Tommy Tenney costumava dizer que “o arrependimento nos prepara para a presença de Deus. Pois é do quebrantamento que nasce a pureza”. Após a quarta-feira de cinzas, muitos vão as igrejas, depois de vários dias envolvidos com um culto a carne, que é o carnaval, mas, isso não é verdadeiro arrependimento, pois não há quebrantamento e estas pessoas voltam a fazer as mesmas coisas de antes. Arrependimento significa: "mudança de posição", e nesse sentido, não há arrependimento sem mudança de comportamentos e atitudes. Não há arrependimento sem quebrantamento. Mais isso não acontece apenas no catolicismo, nossos cultos têm se transformado em quartas-feiras de cinzas.
O livro de Isaias termina no cap. 66 e Deus dizendo: O que imola um boi é como o que comete homicídio; o que sacrifica um cordeiro, como o que quebra o pescoço a um cão; o que oferece uma oblação, como o que oferece sangue de porco; o que queima incenso, como o que bendiz a um ídolo. Como estes escolheram os seus próprios caminhos, e a sua alma se deleita nas suas abominações,  4 assim eu lhes escolherei o infortúnio.


Conclusão: É importante deixar claro que o poder purificador do sangue de Cristo pode remover a mancha mais profunda do pecado. Era certamente isto que João tinha em mente ao dizer que “o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado”. (I jo. 1:7) - Porém, não esqueçamos que purificação começa com arrependimento, com desejo sincero de mudar, de agradar a Deus e viver um verdadeiro cristianismo.

Ilustração. Existe numa catedral em Londres, um famoso quadro de um artista chamado Holman Hut. Nele, o artista representou Jesus à porta. A porta é o coração do homem. No cenário deste quadro é noite e a hora já é avançada

Alguém, entretanto, observou ao artista que a porta não tem qualquer fechadura. O artista então explicou: “Aqui está representada o portão do coração, amigos; e esta é uma porta que só se abre pelo lado de dentro”. Por essa razão que lemos em Ap 2.10: “Se alguém abrir a porta, eu entrarei…”. Ele não arromba portas, mas prefere pedir que abramos voluntariamente nosso coração para que experimentemos o seu poderoso amor e graça.  

ANO NOVO, E UMA NOVA OPORTUNIDADE

 -  Lucas 13.6-9  
Introdução: "É mais tarde do que você imagina". Esta é uma frase que está escrita num relógio nos Alpes italianos... 
É uma advertência a cada pessoa sobre o risco de perder as oportunidades.

Hoje é um dia apropriado para fazermos uma avaliação da nossa vida, para fazermos uma correção em nossos rumos...  Repita isto depois de mim: "Este Ano Novo é uma nova oportunidade para eu começar de novo".
- Pois ouça isto: Deus agendou uma segunda chance para você hoje!
Esta é a ideia básica desta parábola contada por Jesus.
- Lemos no v.7 da história, que por 3 anos, o homem vinha buscar frutos na figueira e não achava nenhum.
- Então, mostra o v.8, que ele decidiu dar para aquele pé de figos, uma nova oportunidade.

Ah! Nós podemos aprender quatro lições fundamentais nesta parábola.

1- TEMOS UMA NOVA OPORTUNIDADE PARA CORRESPONDER ÀS EXPECTATIVAS DE DEUS - O v.6 revela que havia uma expectativa no coração daquele dono de terra: ele tinha uma figueira plantada na vinha, logo, contava colher os seus frutos. A expectativa de Deus a nosso respeito é produzamos frutos.
E é completamente justo que esse homem esperasse frutos naquela figueira, porque é natural que uma figueira produza figos!
- A figueira é uma espécie de arbusto de boa adaptação à diversas condições de clima e de solo.
- Uma só figueira, produz em torno de 8 a 10 kg de figos verdes por safra!
Mas, ocorria uma anormalidade com a figueira aqui: por três anos aquele agricultor procurava frutos nela e voltava decepcionado para casa, porque não havia frutos para colher.

- Amado, quando Deus olha para a sua vida, o que Ele está vendo? Ele está vendo o fruto do seu labor?
- Amado: Deus tem sonhos com você, Ele tem propósitos, Ele tem expectativas a seu respeito.
- Mas será que estas expectativas de Deus, estão sendo correspondidas por nós?

2- TEMOS UMA NOVA OPORTUNIDADE PARA CORRESPONDER AOS NOSSOS PRIVILÉGIOS - Veja que interessante o que lemos no v.6: uma figueira plantada numa vinha - figueira privilegiada essa! Numa plantação de uvas, que é uma fruta nobre
- os mais excelentes vinhos dependem de uvas de boa qualidade! Pois uma vinha requer cuidados especiais, o solo precisa ser muito bom, o clima agradável, chuva em períodos regulares, até a velocidade do vento precisa ser bem dosada.

- ele havia sido plantado numa terra fértil, numa terra tão boa que proporcionava o cultivo de uvas...
- ou seja, a figueira tinha tudo para produzir fruto - todos os privilégios... mas ainda assim, ela não dava fruto...

Amados, Lucas no capítulo 12, v.48: "Será pedido muito de quem recebe muito; e, daquele a quem muito é dado, muito mais será pedido".
A Bíblia está dizendo que cada pessoa será julgada de acordo com as oportunidades que recebeu.
Eu preciso lhe fazer essa pergunta: o que você tá fazendo com todas as bênçãos e com todos os privilégios de Deus?

3- TEMOS UMA NOVA OPORTUNIDADE E TAMBÉM NOVOS RECURSOS - lemos no v.8, que haverá um novo investimento na figueira. Ela será poupada, terá o seu solo afofado, receberá adubo; nada irá faltar à esta figueira - ela receberá atenção especial.
- Amados, nós temos uma nova oportunidade e também novos recursos de Deus.
- Veja como Deus é misericordioso: Deus vai continuar investindo em você. Deus vai tomar providências.

4- TEMOS UMA NOVA OPORTUNIDADE QUE NÃO PODE SER NEGLIGENCIADA
Qualquer pessoa que tenha uma chácarazinha, teria cortado logo aquela planta inútil, que não dava frutos, que não correspondia à sua natureza de árvore frutífera.
Deus tá dando uma oportunidade decisiva, que não pode ser negligenciada... é questão de frutificar ou frutificar!
- Por que lemos aqui no v.9, que caso contrário, aí então, se a figueira não mudar sua realidade, se a figueira não produzir fruto... vai virar lenha. (pergunte à pessoa ao lado: "Você não quer virar lenha, quer?").
- Amado, se Deus não encontrar obediência na sua vida, se Ele não encontrar santidade, se esse fruto não for achado em você, será a separação de Deus para sempre... você será cortado e lançado fora.
- Ouça: ninguém deve brincar com as oportunidades dadas por Deus...

Conclusão: Como a figueira da parábola contada por Jesus, nós acabamos de receber mais uma oportunidade de Deus.
Vamos corresponder às expectativas de Deus! Neste ano, vamos fincar nossos pés na presença de Deus e viver de maneira frutífera! 
Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget