O CRISTO RESSUCITADO E NASCIDO.

Para o Domingo de Páscoa, o dia do Senhor. Atos 13:32-33. - Romanos 6:9-10. - Apocalipse 1:5.

 

Vamos visitar a galeria de quadros das Escrituras e olhar o Homem, Cristo Jesus. Vamos olhá-lo primeiramente através de olhos humanos e depois através dos olhos divinos.

1. Olhar para Cristo com os olhos humanos significa ver o que os homens pensavam dEle. Veremos o que está registrado sobre Ele de acordo com o julgamento humano.

A. Ele não foi muito popular. É verdade que houve um aumento de popularidade quando alimentou os famintos e curou os enfermos. Veja João 2:23-25. - João 6:26.

B. Ele não foi bem sucedido, de acordo com os padrões de sucesso do mundo. O Senhor Jesus Cristo não acumulou riquezas, não contribuiu com nada para descobertas científicas, nem no campo das artes, nem na arquitetura; não fundou nenhuma instituição de caridade. De acordo com o que o mundo considera sucesso, nunca houve uma falha maior do que a vida de nosso Senhor.

C. Cristo Jesus não foi grande socialmente falando. Não foi privilegiado em Seu nascimento, era conhecido simplesmente como o filho de pais pobres, que moravam na desprezada cidadezinha de Nazaré. Foi uma raiz em terra seca, sem forma nem beleza que causasse admiração nos homens. Sua posição social também foi prejudicada, pois comia com publicanos e pecadores. Veio, não para ganhar fama social, mas para salvar pecadores.

D. Ele também não foi grande politicamente. Pelo contrário, desdenhava a política. Não desejou nenhum cargo político. Ao homem que pediu para resolver a questão de uma herança, respondeu: "Homem, quem me pôs a mim por juiz ou repartidor entre vós?" Lucas 12: 14. Jesus recusou-Se a Se aliar e a Se opor aos governos do mundo. Recusou-Se a ser exaltado por Seus admiradores inconstantes, e fugiu quando tentaram fazê-lo rei. Sua posição foi resumida, quando disse: "O meu reino não é deste mundo", João 18:36.

E. Jesus não foi grande, no sentido religioso. Foi condenado à morte pelos judeus com uma acusação de caráter religioso. Foi chamado glutão e bebedor de vinho, Mateus 11:19. Os líderes religiosos não procuraram Seus conselhos. É verdade que um deles, Nicodemos, veio a Ele, escondido pelas sombras da noite, para falar sobre assuntos religiosos, mas Cristo foi ter com ele com a afirmativa cortante de que ele precisava nascer de novo. Dirigia-se aos religiosos daquele tempo com expressões tais como: "raça de víbora". A outros dizia: "Tendes por pai o diabo".

F. Jesus não foi grande como pregador. Seu primeiro sermão registrado foi em Nazaré, a terra natal, e o povo que O ouviu ficou tão enfurecido que tentou matá-lo, Lucas 4:16-29. Quando pregou sobre o pão da vida, muitos de Seus discípulos disseram: "Duro é este discurso, quem o pode ouvir", João 6:60. Ao pregar sobre a depravação total, no qual disse: "Ninguém pode vir a mim se o Pai que me enviou não trouxer", João 6:44, muitos lhe deram as costas e não O seguiram mais. Seu ministério foi interrompido por uma morte vergonhosa. O mundo não podia agüentar o Filho de Deus por mais tempo. Ele foi o mais desprezado e o mais rejeitado dos homens.

Tal foi a vida de Cristo aos olhos dos homens. O anti-Cristo será grande diante dos homens.

2. Vamos agora dar uma olhada como Jesus foi considerado a vista de Deus. Aqui a história é completamente diferente.

A. Em Seu caráter pessoal. Ele foi muito popular para Deus. Era a alegria diária de Deus e com Ele o Pai estava sempre satisfeito. Em cada ponto onde o homem falhou, Cristo foi sucesso. Se não vejamos:

(1). Ele não tinha vontade própria. Vivia em comunhão íntima com a vontade de Deus. Podia dizer com toda sinceridade: "Seja feita a sua vontade, não a minha".

(2). Obedeceu perfeitamente; até a morte de cruz.

(3). Viveu uma vida de fé perfeita. Foi o maior exemplo de fé.

B. Em Seu caráter como Mediador, foi condenado e justificado. Como mediador tornou eficaz a reconciliação entre Deus e os homens. Para fazer isto, Ele, que é Deus, assumiu a natureza humana, e assim tornou-Se Deus-homem. Desta maneira pode viver a experiência tanto de Deus quanto dos homens, o que é essencial para o sucesso de um mediador.

(1). Cristo foi condenado e sentenciado à morte como o substituto do pecador. "Aquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus", 2 Coríntios 5:21. Aquele que pessoalmente não tinha pecado, foi considerado culpado oficial e representativamente. Isto explica o castigo terrível dado por Deus, o qual O fez clamar: "Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste". Mateus 27:46.

(2). Cristo foi justificado e ressuscitado dos mortos. Cristo recebeu a cobrança pelos nossos pecados e em Sua morte, o pagamento foi feito. Deus O ressuscitou dos mortos para reconhecer que a satisfação tinha sido dada a Sua lei. Quando a satisfação é dada à justiça, não pode haver mais condenação. Isaías 50:6-8,

A ressurreição de Cristo é chamada Seu nascimento. Neste dia Ele começou a viver para Deus; a morte não mais tinha domínio sobre Ele. Nosso Senhor teve dois aniversários. No Seu primeiro nascimento, Ele nasceu para morrer; no segundo morreu para nascer e viver para sempre.

Seu povo não está ligado a Ele no primeiro nascimento, mas no segundo. O Cristo que nasceu sob a lei, morreu; o Cristo que satisfez a lei está vivo. É este o Cristo com o qual casamos Romanos 7:3-4.

Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget