Caídos, Empurrados e Fugitivos.

Atos 20:7-12 Não são poucas as pessoas que encontramos de várias classes sociais e econômicas, de idade variada em que ao conversarmos um logo descobrimos que já passaram por alguma igreja, já foram membros de uma igreja. No texto que lemos encontramos um rapaz que saiu da igreja, e saiu pela janela.

 1º Grupo os furtivos - os rebeldes, são como ladrões e salteadores, traidores, atrevidos. II Timóteo 3:1-9

a) Fogem amarrados por uma Tereza, feita de trapos, trapos usados para conseguir seus objetivos. Feita de gente abatidas e fracas psicologicamente e de argumentos da mesma estirpe que são usados pelos traidores.

b) Há um grande grupo que é usado como farrapos humanos, depois são descartáveis.

c) Quem sai pulando a janela geralmente morre perto da igreja, como é o caso deste rapaz do texto.

d) A maioria das pessoas usadas nessa corda de fuga morrem rapidamente porque descobrem que foram usadas como massa de manobra para outros alcançarem seus objetivos sórdidos. Quer sair, saia mais saia pela porta, comunicando, pedindo a benção de seus líderes, que tirou os carrapichos de sua alma tantas vezes, que orou por você, ensinou, aconselho, renunciou, suportou suas fraquezas em dados momento, pois a honra e o respeito não faz mau a ninguém, só o bem.

2º Grupo os empurrados – os disciplinados pelos coronéis da ditadura e do legalismo pertencente ao partido nazista-xiita gospel. Mat. 23:4 e 13 - Alta repressão,

 a) Regras não embasadas na suficiência da excelência da palavra de Deus, muitos foram jogados para fora da igreja quando erraram uma única vez, foram tratados sem nem uma misericórdia, foram exposto ao ridículo pelo um tribunal superior. Que após sua sentença canta seu hino oficial, aquele composto por Chico Buarque: “joga pedra na geni ! ela feia pra apanha ! ela é feia pra cuspi !”

b) As santidade precisa ser atraente e curadora e não excludente e apodrecedora. Mt. 5:16 - brilhe a vossa luz diante dos homens para que glorifiquem a vosso pai que estar no céu.

3º Grupo dos caídos – os que fraquejaram, é este o caso do Êutico ele dormiu um sono pesado, é certo que muitos dormem acordados a fé e a empolgação podem adormecer quando Deus parece demorar em responder nossos gritos diante das tragédias. Não é romântico ver o problema aumentar enquanto o tempo passa, as vezas não entendemos nem aceitamos a vontade D’Ele.

a) É o caso de um dizimista fiel que ver o tempo passar e não entende porque Deus ainda não abriu a porta, da mãe que educou o seu filho tão bem e agora ele só dar trabalho, da jovem que tanto orou e já vai pra casa dos quarenta e a benção do casamento não vem, quantos motivos tem levado a muitos a se sentarem longe do altar, a colocarem parte de seu corpo fora da igreja, correndo o riscos. Caso caia sobre eles mais uma grama de dor é possível que não aguente e se arrebentem no chão.

b) Outros foram para a janela por problemas causados dentro da igreja, por eles mesmos ou por terceiros, geraram ódio, isolamento, desgosto, decepção. Se esse grupo não der a mão pra alguém segura é fácil cair, se desequilibrar, arrebentar-se no chão.

c) O cansaço físico como causa do sono, além da vida corrida o ativismo interno da Igreja não nos deixa o prazer do sagrado relacionamento com Deus durante o culto e ai adormecemos e caímos.

d) Ainda a programação da igreja pode causar isso, horários, arrumação, rotina, monotonia, falta de criatividade, a organização interna. Hb. 8:13

e) A igreja precisa ser acolhedora e um local de cura, precisa ter objetivos sem abrir mão dos valores morais, precisa ter espaço para todos servirem a Deus com seus dons e talentos, precisa ter uma programação ungida e ao mesmo tempo relevante, inteligente e atraente. Os líderes precisam ser cheio do Espírito Santo. At. 6:3. O pior é que caídos estão sendo esquecidos, desprezados, deixados para traz mortos do lado de fora, à mercê dos urubu. 

Quer saber como a igreja resolve esse problema, quer saber o que precisa ser feito com urgência pelas nossas igrejas?

CONTINUA NO CULTO DE DOUTRINA QUINTA FEIRA NA ICBE.

2ª PARTE A SOCIEDADE QUE SOFRE A SÍNDROME DO DESCARTE.

Desde a seringa de injeção que antes era reutilizada por várias vezes, passando pelos nossos sapatos que antes passavam do irmão mais velho para o mais novo, até a garrafa de refrigerante, chegando ao ponto de descartar até pessoas, essa doença chegou as relações interpessoais, dentro da própria família cristã, alguém caiu não importa o quanto ele tenha sido correto antes da queda, caiu; “que morra” assim sendo existem 3 grandes problemas maiores que a própria queda:

1º corremos o risco de agir da mesma forma, a indiferença por ter se tornado comum, acabamos achando que o certo é as vezes não fazer nada pelo caído. Ficamos tão decepcionados com os traidores que nos tornamos duros e secos em relação aos que foram usados como tereza, ou com os que foram empurrados. A amargura da alma nos leva ao fechamento de nosso coração ao perdão.

2º fechamos o nosso caixão e nos tornamos hipócritas. Certo que a moda é descartar, quando o problema for conosco, quando acontecer algum vacilo na nossa caminhada, das duas uma: Ou vamos continuar mascarados de super-heróis, procurando demonstrar que não caímos mesmo estando quebrado, hipocrisia. E isso se dar por saber que ninguém se importa, nem socorre. Ou vamos desistir de voltar para Deus e para a família cristã, nos entregando cada vez mais a morte espiritual, voltar para a casa do pai pode gerar o medo da guilhotina, da vergonha ou da cadeira elétrica da inutilidade.

3º conhecemos um Deus que também descarta os feridos, passamos a ver Deus da mesma forma que nos vemos, comparação gerada pela repetição das ações. Na parábola do filho pródigo cp 15 de Lucas, o filho diz “não sou digno de ser filho, trata-me como escravo” ele achou que o pai era incapaz de perdoa-lo. Pergunta: qual igreja aceitaria o nojento pródigo de volta e investiria alto ne dando-lhe uma roupa nova? O que é preciso ser feito com urgência?

 1º A grande valorização de uma alma. Pessoas valem mais do que prédios ou programas, no dia em que Êutico caiu era uma dia importante para a igreja em Trôade, pois o apóstolo Paulo era o pregador da noite, era também um culto de ceia, casa cheia. De repente todo o programa foi interrompido, alguém caiu da Janela. Quem? Um parente de Paulo?, um presbítero?, um filho de uma família influente?, não era um jovem rapaz, porém Paulo parou imediatamente a reunião priorizando a vida do rapaz.

2º A prática da humanidade: é preciso descer, Paulo desceu do terceiro andar, e ainda desceu sobre o rapaz ouvindo o seu coração. Descer não é fácil, pra socorrer os outros então é mais difícil ainda. Filip. 2:5-8, Jesus desceu. Não há como socorrer caídos sem descer.

 3º O poder de abraço associado a um coração apaixonado pelas almas. Não foi um abraço litúrgico, foi um abraço de vida. O abraço é sinônimo de envolvimento, de sentimento.

4º - Correr risco no exercício da compaixão, a lei judaica proibia tocar em cadáver até de animais (Lev. 21:1-12) Paulo sabia deste risco, porém não hesitou. Ele também estava correndo o risco da fofoca da perda da autoridade, gente que não faz nada pra ajudar só atrapalha vive de observar seus vacilos, os descumprimentos da lei com intenção de esconjurarem. Risco de se decepcionar, pois nem sempre pessoas abraçadas correspondem positivamente ao investimento feito, e se Êutico não ressuscitasse?

 5º - Afirmar a possibilidade de completa recuperação. Seu filho de uma égua! Seu possesso! Quem mandou você sentar na janela? Eu já sabia que você ia cair! Quando vi senti na hora, esse ai? É um vagabundo, isso não fica na igreja nem um mês. Não foi nada disso que Paulo falou, não diagnosticou, não chamou a atenção pra não envergonhar o rapaz, apenas declarou: não vos perturbeis que a vida estar nele. Irmão os caídos não precisão mais de diagnósticos, de ponta pés, precisão de uma palavra de cura.

 6º - A difícil arte do disciplinado de um “ex-janeleiro” de um “ex-morto”

 3ª PARTE QUER SABER ? PRÓXIMA QUINTQ FEIRA CULTO DE DOUTRINA NA ICBE.

Anúncio